ACESSE

Em ofício, Lava Jato denuncia "caráter inusitado" dos pedidos da vice-PGR para acessar investigações

Telegram

Como publicamos há pouco, o grupo da Lava Jato na PGR pediu demissão coletiva por discordar da gestão de Augusto Aras. A gota d’água foi uma manobra da vice-PGR, Lindôra Araújo, para copiar os arquivos do MPF em Curitiba com todas as investigações – inclusive as que ainda não foram deflagradas.

A medida foi denunciada pelos procuradores à Corregedoria-Geral do Ministério Público.

No documento, obtido por O Antagonista, a Procuradoria da República informa que Lindôra “buscou acesso a informações, procedimentos e bases de dados desta força-tarefa em diligência efetuada sem prestar informações sobre a existência de um procedimento instaurado, formalização ou escopo definido”.

A vice-PGR foi à Curitiba ontem acompanhada do secretário de Segurança Institucional, delegado Marcos Ferreira dos Santos, além de membro integrante do gabinete de Aras, o procurador Galtienio da Cruz Paulino.

Na reunião, ela informou que queria “examinar o acervo da força-tarefa do MPF no caso da Lava Jato no Paraná”, para “verificar qual foi o tratamento dado às pendências: se viraram notícias de fato, denúncias ou foram arquivadas”.

Ao chegar à sede da Procuradoria no Paraná, Lindôra disse ainda que “seria executado” um trabalho “na área de tecnologia de informação”.

Questionada por Deltan Dallagnol e demais procuradores, ela alegou que o compartilhamento dos dados seria “para fins de inteligência”. Sendo informada que os pedidos deveriam “se cercar das cautelas jurídicas adequadas para evitar questionamentos e arguição de nulidades sobre informações e provas”.

Galtiero Paulino, segundo o relato feito pela força-tarefa no ofício, afirmou que a PGR estaria “fazendo um inventário bem grande do Brasil inteiro”.

Os procuradores, porém, não engoliram a versão, especialmente devido ao “caráter inusitado das solicitações, sem formalização dos pedidos e diligências”. Desconfiados, consultaram a Corregedoria e descobriram que “não há qualquer procedimento” instaurado para embasar o pedido de acesso de Lindôra.

Os procuradores explicaram à vice-PGR, então, que ela poderia ter acesso a dados públicos e, no caso dos sigilosos, desde que houvesse “base fática e formalização”, por meio de “decisões judiciais pretéritas, dependendo eventual uso de formalização do pedido de compartilhamento”.

Lindôra irritou-se, desistiu da diligência e mandou que fosse “exarada certidão informando que lhe teria sido negado acesso a informações” e que pediria a instauração de correição do CNMP contra a força-tarefa.

Leia mais: Um amigo aconselhou Bolsonaro a renunciar. O presidente resiste. E tem um plano para ir até o fim

Comentários

  • Vania -

    A que ponto de baixaria e irregularidades estamos chegando.....

  • Arnaldo -

    Lindora fdp! Vendida! Capanga de canalhas! Se ferrou ! E vai ter mais!

  • Edenilson -

    Ameaça? Abuso de autoridade pela nova lei que foi aprovada com auxilio do Bolso Traidor??

Ler 68 comentários