Em pronunciamento do Sete de Setembro, Bolsonaro elogia apoio ao golpe de 1964

Acabou de ir ao ar em cadeia nacional de rádio e TV o pronunciamento de Jair Bolsonaro sobre o Sete de Setembro.

O presidente abriu seu breve discurso dizendo que, em 1822, o Brasil afirmou ao mundo “que nunca mais aceitaria ser submisso a qualquer outra nação e que os brasileiros jamais abririam mão da sua liberdade”.

Citou a miscigenação, o “senso de tolerância” desenvolvido pelo país e a participação de brasileiros em conflitos como a Segunda Guerra Mundial.

E elogiou o apoio ao golpe militar de 1964: “Nos anos 60, quando a sombra do comunismo nos ameaçou, milhões de brasileiros, identificados com os anseios nacionais de preservação das instituições democráticas, foram às ruas contra um país tomado pela radicalização ideológica, greves, desordem social e corrupção generalizada. O sangue dos brasileiros sempre foi derramado por liberdade”.

Bolsonaro finalizou dizendo: “Somos uma nação temente a Deus, que respeita a família e que ama a sua pátria. Orgulho de ser brasileiro”.

Leia a íntegra abaixo:

“Boa noite.

Naquele histórico 7 de setembro de 1822, às margens do Ipiranga, o Brasil dizia ao mundo que nunca mais aceitaria ser submisso a qualquer outra nação e que os brasileiros jamais abririam mão da sua liberdade.

A identidade nacional começou a ser desenhada com a miscigenação entre índios, brancos e negros. Posteriormente, ondas de imigrantes se sucederam, trazendo esperanças que em suas terras haviam perdido.

Religiões, crenças, comportamentos e visões eram assimilados e respeitados.

O Brasil desenvolveu o senso de tolerância, os diferentes tornavam-se iguais. O legado dessa mistura é um conjunto de preciosidades culturais, étnicas e religiosas, que foram integradas aos costumes nacionais e orgulhosamente assumidas como brasileiras.

Passados quase dois séculos da Independência, nos quais enfrentou e superou inúmeros desafios, o Brasil consolidou sua posição no concerto das nações.

Ainda no século XIX, durante o período do Império, fomos invadidos e agredidos, derrotando a todos.

Já no século XX, durante a II Guerra Mundial, a Força Expedicionária Brasileira foi à Europa para ajudar o mundo a derrotar o nazismo e o fascismo.

Nos anos 60, quando a sombra do comunismo nos ameaçou, milhões de brasileiros, identificados com os anseios nacionais de preservação das instituições democráticas, foram às ruas contra um país tomado pela radicalização ideológica, greves, desordem social e corrupção generalizada.

O sangue dos brasileiros sempre foi derramado por liberdade.

Vencemos ontem, estamos vencendo hoje e venceremos sempre.

No momento em que celebramos essa data tão especial, reitero, como Presidente da República, meu amor à Pátria e meu compromisso com a Constituição e com a preservação da soberania, democracia e liberdade, valores dos quais nosso País jamais abrirá mão.

A Independência do Brasil merece ser comemorada hoje, nos nossos lares e em nossos corações.

A Independência nos deu a liberdade para decidir nossos destinos e a usamos para escolher a democracia.

Formamos um povo que acredita poder fazer melhor.

Somos uma Nação temente a Deus, que respeita a família e que ama a sua Pátria.

Orgulho de ser brasileiro.”

Leia mais: Gleisi e Bolsonaro do mesmo lado
Mais notícias
TOPO