Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Em reunião, lideranças do centro tentam atrair a esquerda para atos contra Bolsonaro

Grupo com representantes de diversos partidos fez um balanço do 7 de Setembro e decidiu que tirar o presidente da República do poder é prioridade
Em reunião, lideranças do centro tentam atrair a esquerda para atos contra Bolsonaro
Foto: Allan Santos/PR

O Antagonista confirmou as informações dadas inicialmente por Vera Magalhães, em O Globo, sobre uma reunião, na noite de ontem, com lideranças políticas do centro e da esquerda, para fazer um balanço dos atos de 7 de Setembro.

A saída de Bolsonaro do poder, como noticiamos, voltou à pauta em Brasília após os discursos golpistas do presidente.

O grupo chamado “Direitos Já – Fórum pela Democracia”, que nasceu logo no início do governo Bolsonaro, fez um encontro virtual para reforçar a necessidade de união em torno de uma pauta que se considera única: o impeachment de Bolsonaro.

Participaram, por exemplo, Gleisi Hoffmann (PT), Marina Silva e Randolfe Rodrigues (PSDB), José Aníbal (PSDB) e representantes de DEM, PSB, PSL, PV e Cidadania.

Com exceção do PT, os demais partidos concordaram em apoiar as manifestações do próximo domingo, convocadas pelo Vem Pra Rua e pelo MBL. A maioria defendeu que é preciso tirar Bolsonaro do poder, para, depois, tratar das eleições de 2022.

O grupo pretende fazer no próximo dia 15 um ato público com lideranças políticas internacionais, também tendo o impeachment de Bolsonaro como foco. Já em 18 de setembro, quando o relatório final da CPI da Covid deverá ter sido apresentado no Senado, os grupos de esquerda, com o apoio de centrais sindicais, pretendem voltar às ruas, também pedindo a saída do presidente da República.

Randolfe, que participou da reunião ontem, disse a O Antagonista que o grupo encara Jair Bolsonaro como “inimigo em comum”.

“Agora é hora de menos vaidade, menos individualidade e mais coletividade. O inimigo é só um: Jair Bolsonaro. O Bolsonaro, a esta altura, é uma âncora que está levando todo o país para o fundo. O governo Bolsonaro acabou ontem. Ele vai radicalizar cada vez mais e não tem mais espaço para negociar nada.”

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO