Empresa de Sandro Lula “é uma peça de ficção”

Lula também foi questionado sobre outra empresa em nome do filho Sandro Lula, a Flex BR, que recebeu dinheiro do Instituto Lula. Ao responder para o delegado, o ex-presidente se mostra claramente nervoso, usando evasivas e tentando confundir o interrogatório.

***

Delegado da Polícia Federal:- O senhor conhece a empresa Flex BR Tecnologia Ltda.?

Declarante:- Essa eu faço questão que você conheça.

Delegado da Polícia Federal:- Eu não conheço.

Declarante:- Eu não conheço, quero que você conheça, eu não conheço, quero que você vá conhecer.

Delegado da Polícia Federal:- Por quê?

Declarante:- Porque é uma peça de ficção, eu não conheço, não sei onde fica, eu sei que vocês estão investigando ela porque eu vi no relatório, Deus queira que vá muita gente da Polícia Federal lá para ver, e ver o que ela já produziu na vida.

Delegado da Polícia Federal:- O senhor acha que é positivo ou negativo o que ela produz?

Declarante:- Não, deixa vocês investigarem que é melhor. Eu só espero que depois que investigarem me deem um atestado de estar dizendo a verdade sobre cada coisa, só isso.

Delegado da Polícia Federal:- O senhor afirma que nunca ouviu falar nessa empresa?

Declarante:- Se eu não ouvi falar? Se eu não tivesse ouvido falar eu teria ouvido aqui na petição que me mandaram aqui, porque tem escrito nela.

Delegado da Polícia Federal:- Não, mas assim, antes de ter…

Declarante:- Não.

Delegado da Polícia Federal:- Não, nunca, não tem conhecimento, ok. Obviamente, então, o senhor saberia falar alguma coisa entre ela e o Instituto Lula, alguma relação entre elas?

Declarante:- Não.