Empresário confirma pagamento a Witzel na pré-campanha em troca de contratos

Empresário confirma pagamento a Witzel na pré-campanha em troca de contratos
Foto: Reprodução/Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Em depoimento no processo de impeachment de Wilson Witzel, o empresário Edson Torres reafirmou que pagou R$ 980 mil ao governador afastado quando ele ainda era juiz, em 2018.

“Nós fizemos um caixa de subsistência, caso ele não ganhasse a eleição, de um valor que era de aproximadamente R$ 1 milhão. Chegou a R$ 980 mil esse valor, que foram pagos até a data da desincompatibilização. Foram pagas algumas parcelas”, disse ao tribunal misto que julgará Witzel.

Edson Torres já havia falado do pagamento em depoimento ao Ministério Público Federal, usado na denúncia contra Witzel por organização criminosa. Os pagamentos foram feitos em conjunto com Victor Hugo Barroso, apontado como operador de Pastor Everaldo.

Hoje, no novo depoimento, Torres deixou claro que a contrapartida pelos pagamentos era a retomada de contratos que suas empresas tinham com o governo estadual, suspensos em gestões anteriores.

“Eu, como empresário, assumi a responsabilidade de fazer a arrecadação e da minha parte também contribuir, porque eu teria contratos. Porque eu tive muitos contratos com o estado e tive meus contratos cassados. Foi o combinado.”

Ele afirmou, porém, que a promessa não foi cumprida e que os contratos que conseguiu na Cedae e no Detran foram lícitos.

Leia mais: Crusoé também fiscaliza o outro lado do balcão do Judiciário: os advogados.
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 7 comentários
TOPO