Empresário diz que R$ 50 milhões foram desviados da Saúde na gestão Witzel

Empresário diz que R$ 50 milhões foram desviados da Saúde na gestão Witzel
Foto: Reprodução/CNN

Em depoimento ao Ministério Público Federal, o empresário Edson Torres confessou que, entre janeiro de 2019 e junho deste ano, aproximadamente R$ 50 milhões foram desviados da Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro para pagamento de propina.

Em delação premiada, o ex-secretário da pasta Edmar Santos, afirmou que ficava com 30% da propina e que 20% era repassado a Wilson Witzel, que, apesar de ter uma participação menor, também recebia de todas as secretarias do governo.

Outros 20% eram repassados a Pastor Everaldo; 15% ficaram com o próprio Edson Torres; e 15% restantes eram para Victor Barroso, operador do esquema de corrupção. O dinheiro era recolhido das empresas contratadas por organizações sociais que geriam hospitais públicos.

Na denúncia apresentada hoje contra Witzel, por organização criminosa, o Ministério Público Federal narra que, ainda antes da eleição, Edson Torres pagou a ele R$ 980 mil em espécie, quando era juiz federal. De abril até o segundo turno da eleição de 2018, teriam sido entregues R$ 1,8 milhão a Pastor Everaldo, principal responsável pela candidatura de Witzel pelo PSC.

“Em contrapartida aos gastos e esforços que o grupo liderado pelo PASTOR EVERALDO e pelo
empresário EDSON TORRES empreendeu para eleger WILSON WITZEL como Governador, o grupo recebeu posição privilegiada de controle sobre a pasta da saúde, que usou para arrecadar valores com empresas contratantes do Governo do Estado do Rio de Janeiro”, diz a denúncia.

Leia mais: Exclusivo: a máquina de lobby da Odebrecht teria sido usada, com a anuência de Toffoli, para ajudar na aprovação do nome dele para o Supremo
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 26 comentários
TOPO