Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Empresário que comprou apartamento de Flávio Bolsonaro coleciona problemas com a Justiça

Gervásio Meneses de Oliveira é acusado de pagar desembargadores trabalhistas em troca de decisões favoráveis a seus negócios
Empresário que comprou apartamento de Flávio Bolsonaro coleciona problemas com a Justiça
Foto: Jefferson Rudy/O Antagonista

Em março deste ano, O Antagonista revelou que Flávio Bolsonaro comprou uma mansão de quase R$ 6 milhões em Brasília. Ao tentar justificar o negócio, o senador alegou que parte do dinheiro teria sido obtido com a venda de um apartamento na Barra da Tijuca.

A venda do imóvel, porém, ainda não foi registrada em cartório. E o nome do comprador também era desconhecido até agora: trata-se do empresário baiano Gervásio Meneses de Oliveira, velho conhecido da Justiça.

A informação foi publicada inicialmente pela Veja e confirmada por O Antagonista. Segundo a assessoria de imprensa de Gervásio, a aquisição do imóvel “foi feita com promessa de compra e venda”. Ela diz que o empresário não sabia que estava comprando o apartamento de Flávio, a quem diz conhecer superficialmente.

“Eles se encontraram rapidamente antes numa festa de uma amiga comum”, afirma a assessora, sem saber precisar quando ocorreu o encontro e de quem era o aniversário.

No ano passado, Gervásio foi denunciado pela PGR na Operação Injusta Causa. O empresário é apontado pelo órgão como o responsável por pagar propina a juízes do trabalho em troca de decisões favoráveis às suas empresas.

Em 2016, segundo a PGR, a desembargadora Maria Adna Aguiar do Nascimento e a juíza Marúcia Belov receberam propina para beneficiar o Grupo FTC, que pertence ao empresário, em uma ação que totaliza R$ 96,8 milhões em débitos trabalhistas.

As duas juízas do Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (TRT5), em Salvador, teriam suspendido o pagamento desse valor em troca de propinas pagas pelo empresário. Ao todo, o esquema teria movimentado R$ 250 mil.

Quase 10 anos antes, Gervásio também lutou no STF por sua liberdade. Após ser acusado de fraudes em licitações de serviços de segurança e limpeza na Bahia, ele teve a prisão decretada pelo STJ, mas fugiu e apresentou um habeas corpus no Supremo. E conseguiu.

Em 2007, Gervásio Oliveira foi investigado na Operação Navalha, depois de ter sido pego em grampos telefônicos que tinham como alvo oito empresários do ramo de segurança e prestação de serviços.

Leia mais: Assine a Crusoé, a publicação que fiscaliza TODOS os poderes da República.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO