Empresas investigadas receberam R$ 1,8 bilhão na gestão Witzel

Um levantamento do jornal Extra mostra que as organizações sociais (OSs) investigadas no esquema criminoso no Rio de Janeiro receberam ao menos R$ 1,8 bilhão da Secretaria estadual de Saúde para a gestão das UPAs, entre os anos de 2019 e 2020.

Segundo a denúncia do Ministério Público Federal, essas organizações receberam vantagens dos grupos com poder no governo do Rio. A investigação sobre o esquema levou ao afastamento de Wilson Witzel do cargo de governador e à prisão do Pastor Everaldo, presidente do PSC.

“As investigações e a delação do ex-secretário estadual de Saúde Edmar Santos indicam a trama de diferentes mecanismos para os ilícitos. Mas, em geral, apontam que o objetivo era a cobrança de 5% de propina de todos os contratos. Ou seja, se o percentual fosse aplicado ao R$ 1,8 bilhão de pagamentos identificados, equivaleria a R$ 90 milhões no bolso dos acusados.”

Leia mais: Combo O Antagonista+ e Crusoé: comece a ler por apenas R$ 1,90/mês
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 23 comentários
TOPO