Entenda o que está em jogo na queda de braço entre governo e Congresso pelo controle de parte do Orçamento

O Congresso ainda não analisou os vetos de Jair Bolsonaro a 10 dispositivos da lei que dispõe sobre a elaboração e a execução da Lei Orçamentária de 2020.

Esses 10 dispositivos compõem um único veto: o de número 52, que está sendo alvo da queda de braço entre o governo e o Congresso desde o ano passado. Há uma semana, após parlamentares do Podemos, do Novo, do PSOL e do PSL obstruírem a pauta, Davi Alcolumbre adiou essa votação.

Agora, o governo tenta encontrar uma saída, depois de ter anunciado um acordo — pouco compreendido — para a votação na semana passada.

No pano de fundo de toda essa discussão, está a busca do Parlamento por um controle cada vez maior dos recursos públicos.

O ponto mais polêmico está nos quatro dispositivos que mexem no artigo 64-A do Orçamento. Como mostramos aqui, se esses dispositivos (52.19.001, 52.19.002, 52.19.003 e 52.19.004) forem derrubados, o responsável pela destinação de 30,1 bilhões de reais em emendas ao longo deste ano será o relator do Orçamento — além dos grupos políticos com mais força no Parlamento –, e não mais o governo.

O Congresso estava pronto para derrubar esses vetos na semana passada e festejar o controle dessas verbas bilionárias em ano de eleições municipais. Foi por pouco.

Os outros seis dispositivos vetados (52.19.005 a 52.19.010) e pendentes de votação em sessão do Congresso incluíam no rol de órgãos blindados de qualquer tesourada no Orçamento — em caso de frustração de receitas — o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, a Embrapa, a Fiocruz, o Ipea e o IBGE, além das despesas destinadas às ações de pesquisa e inovações para a agropecuária.

Com essas mudanças, o Congresso tentou evitar contingenciamentos nessas áreas específicas. Mas a medida contraria o intuito de Paulo Guedes de retirar “carimbos” do Orçamento.

Quanto a esses dispositivos, o acordo costurado pelo governo na semana passada incluía a manutenção desses vetos.

Comentários

  1. IIzabel disse:

    TXVkYXJhbSBwcmEgdGVy52EgZmVpcmEgYSB2b3RvLmRvIGFydGlnbyA1MiBxdWUgbGV2b3UgQm9sc29uYXJvIGEgY29udm9jYefjbyBkbyBkaWEgMTUuIEFnb3JhIENhcmxhIFphbWJlbGxpIG1lIG1hbmRhIHVtYSBtZW5zYWdlbSBwZWRpbmRvIGFqdWRhIHBhcmEgY29udmVuY2VyIGRlcHV0YWRvcyBpbmRlY2lzb3MgYSB2b3RhcmVtIGNvbSBCb2xzb24=

  2. Eelgar disse:

    RGVwdXRhZGEgQWxlIFNpbHZhLCBjb25jb3JkbyBjb20gYSBTcmEuIGVzdOEgZGlm7WNpbCBvdSBlbGVzIG7jbyBxdWVyZW0gZW50ZW5kZXIsbuNvIGV4aXN0ZSBjcmlzZSBpbnN0aXR1Y2lvbmFsIHPzIHF1ZXJlbW9zIHF1ZSBkZWl4ZW0gZWxlIGZhemVyIG8gcXVlIHNlIHByb3D0cyBlIHRldmUgbm9zc28gYXBvaW8gY29tIHZvdG9zIA==

  3. FFátima disse:

    ySBtdWl0byBncmF2ZSBzZSBvIGNvbnRyb2xlIG9y52FtZW504XJpbyBmaWNhciBuYSBt428gZG8gQ29uZ3Jlc3NvLiBT8yB0ZW0gYmFuZGlkb3MgZSBu428gcG9kZW1vcyBwZXJtaXRpciBpc3NvLiBBIHBvcHVsYefjbyBwcmVjaXNhIHNlIG1vYmlsaXphciB1cmdlbnRlLiBSYXRhemFuYXMgY29udHJvbGFuZG8gbyBub3NzbyBkaW5oZWlybywgTsNPIQ==

    1. U2V1IGxpbmd1YWphciBkZW1vbnN0cmEgc2V1IGNhcuF0ZXIgwm5nZWxvLiBWb3RhbW9zIG5vIEJvbHNvbmFybyBwYXJhIHZlci1ub3MgbGl2cmVzIGRlIHBlc3NvYXMgY29tbyB2YyBlIGRlIHBlc3NvYXMgcXVlIHBlc3NvYXMgY29tbyB2b2PqIGVsZWdlbQ==

    2. Vm9j6nMgauEgZWxlZ2VyYW0gYSByYXRhemFuYSBtb3IsIHF1ZXIgZGVpeGFyIG8gb3LnYW1lbnRvIGNvbSBlbGEsIHN1YSBmZHA/IE1lbGhvciBjb20gbyBjb25ncmVzc28sIGlndWFsbWVudGUgZWxlaXRvIHBlbG8gcG92byBlIG1haXMgY2l2aWxpemFkbw==

  4. WWanderlei disse:

    RXNzZSBjb25ncmVzc28gZXNw+nJpbyBu428gcG9kZSB0b21hciBjb250YSBkZSBkaW5oZWlybyB0ZW0gYmFuZGlkbyBkZW1haXMgbOEu

Leia mais comentários e dê a sua opinião

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos.
Tempo de publicação: 4 minutos

AJUDA