Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Entidade critica foto do governo em homenagem ao Dia do Agricultor

O Sindicato Nacional dos Peritos Federais Agrários emitiu uma nota de repúdio após a Secom publicar no Twitter a imagem de um homem armado
Entidade critica foto do governo em homenagem ao Dia do Agricultor
Reprodução/Twitter

O Sindicato Nacional dos Peritos Federais Agrários (SindPFA) emitiu uma nota de repúdio após a Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social) do governo Bolsonaro publicar hoje no Twitter a foto de um homem armado em homenagem ao Dia do Agricultor.

No comunicado, o SindPFA afirmou que “isso, definitivamente, não é o que define um agricultor”

“A manifestação é uma demonstração indigna de quem tomou o lado do escravagista, do jagunço, do capitão do mato, do grileiro e do desmatador, que ignora a realidade de um país que ainda não se reconciliou com seu passado, marcado pela destinação da terra a endinheirados, marginalizando a população”, diz outro trecho da nota.

Segundo o Sindicato Nacional dos Peritos Federais Agrários, a imagem mostra o “desprezo sistemático por políticas afirmativas como a reforma agrária”

Leia abaixo a íntegra da nota:

“O Sindicato Nacional dos Peritos Federais Agrários (SindPFA) manifesta veemente repúdio à forma com que o governo federal resolveu celebrar, nesta quarta-feira, 28 de julho, o Dia do Agricultor.

A Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República publicou em suas redes uma imagem que é vendida em bancos de imagem com a seguinte descrição “Silhueta de caçador carregando espingarda no ombro e observando”. Isso, definitivamente, não é o que define um agricultor.

A manifestação é uma demonstração indigna de quem tomou o lado do escravagista, do jagunço, do capitão do mato, do grileiro e do desmatador, que ignora a realidade de um país que ainda não se reconciliou com seu passado, marcado pela destinação da terra a endinheirados, marginalizando a população.

É mais uma prova do desprezo sistemático por políticas afirmativas como a reforma agrária, não obstante os sérios problemas ainda enfrentados na democratização do acesso à terra, na preservação de recursos naturais e de trabalho escravo.

É, sobretudo, um escárnio para com as muitas famílias e vítimas da violência no campo, como as do massacre de Eldorado dos Carajás, que completou 25 anos recentemente.

Nosso reconhecimento aos verdadeiros agricultores, homens e mulheres que se dedicam ao cultivo da terra e que – com ferramentas de trabalho, e não armas de fogo – levam às nossas mesas o alimento de cada dia.”

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO