Entrevista: "Quanto mais foco, maior a chance de sucesso", diz procurador sobre CPI da Covid

Entrevista: “Quanto mais foco, maior a chance de sucesso”, diz procurador sobre CPI da Covid
O Antagonista

Experiente investigador, o procurador Helio Telho diz, em entrevista a O Antagonista, que a CPI da Covid pode dar resultados se não ampliar demais o leque de apurações e se não houver um acordão político para proteger políticos de campos rivais.

“Quanto mais se abre o leque de fatos a serem investigados, maior o risco de se perder e não se apurar nada. De qualquer modo, o Senado não tem estrutura para investigar todos os gastos feitos com os bilhões de reais que a União repassou para todos os estados e municípios. E por isso vai usar critério político para selecionar as prioridades”, diz Telho.

Para ele, é baixa a probabilidade de depoimentos bombásticos, uma vez que há tempos o Supremo garante a investigados o direito ao silêncio ou até mesmo o não comparecimento.

“Mas a CPI pode ter bons resultados. Ela tem poderes de juiz e pode recrutar técnicos e investigadores de outros órgão públicos para assessorar os senadores. Tudo dependerá da atenção que receber da mídia e das redes sociais”, afirma.

Abaixo, a entrevista completa:

O Antagonista – Uma CPI no Senado poderá investigar governadores e prefeitos?
Helio Telho – “Não, se o objeto forem as políticas públicas que adotaram no combate à pandemia. Sim, se o objetivo for investigar o que essas autoridades fizeram com os recursos federais.

A CPI não poderia investigar, por exemplo, se um prefeito agiu certo ou errado na decretação de lockdown, ou se um governador agiu de forma irregular ao mudar a ordem de vacinação estabelecida no Plano Nacional de Imunização.

Mas poderá investigar se receberam do governo federal testes de Covid que não foram usados e sua validade expirou, ou respiradores que foram desviados para hospitais privados, por exemplo; ou se dinheiro transferido para a compra de máscaras foi desviado de finalidade.

Superfaturamentos, corrupção e até lavagem de dinheiro relacionados com os repasses federais poderão também ser sim investigados.

Agora, a responsabilidade pela política adotada pelo prefeito ou governador deve ser objeto de escrutínio pelos legislativos locais.”

E quanto ao presidente?
“Aí sim. O Senado poderá investigar se o presidente da República foi omisso na condução do combate à pandemia ou se adotou política de enfrentamento inadequada ou indevida.

O Senado tem a prerrogativa de investigar, porém, essa é uma investigação por natureza política e não técnica.

Por exemplo: a oposição propõe convocar alguém para esclarecer situação que possa potencialmente implicar o presidente. Aí, a base do governo pressiona para convocar alguém que deponha implicando um governador de oposição. Nessas circunstâncias, abre-se a possibilidade de haver um acordão pelo qual ambos os lados desistem de chamar essas testemunhas e tudo acabe em pizza.”

Não é melhor então focar a investigação no governo federal?
“Quanto mais a investigação foca em um determinado fato, maiores são as chances de sucesso. Quanto mais se abre o leque de fatos a serem investigados, maior o risco de se perder e não se apurar nada. De qualquer modo, o Senado não tem estrutura para investigar todos os gastos feitos com os bilhões de reais que a União repassou para todos os estados e municípios. E por isso vai usar critério político para selecionar as prioridades.

No início, a CPI definirá as linhas de investigação e os principais fatos a serem investigados. Porém, à medida em que os escândalos aparecerem, a CPI perderá o controle de sua agenda, que passará a ser guiada pela opinião pública. É por isso que dizem que CPI sabe-se como começa, mas não como termina.”

Dá para esperar a descoberta de grandes escândalos?
“Aquela ideia que se tem de CPI convocar pessoa suspeita e pressionar, criar ambiente de constrangimento para confessar ou se contradizer, isso o Supremo já não admite mais. Há precedentes assegurando não só o direito de silêncio, mas até mesmo o de o investigado nem comparecer a uma convocação para depor como suspeito.

Lembro que o Supremo já até proibiu condução coercitiva e o próprio Congresso aprovou lei definindo-a como abuso de autoridade.

Portanto, é equivocado acreditar que a CPI vá colocar o ex-ministro Eduardo Pazuello num paredão de fuzilamento. Não vai.

Mas a CPI pode ter bons resultados. Ela tem poderes de juiz e pode recrutar técnicos e investigadores de outros órgão públicos para assessorar os senadores. Tudo dependerá da atenção que receber da mídia e das redes sociais. Parlamentares, por dependerem do voto, são muito sensíveis à opinião pública. Tivemos CPIs que não tiveram cobertura da imprensa, porque não despertavam o interesse do público. Por isso, quase ninguém ficou sabendo se deram ou não resultados, como foi o caso das CPIs do Trabalho Escravo e a CPI do Tráfico de Pessoas. Aliás, muita gente sequer ficou sabendo da existência delas.”

Leia mais: Assine a Crusoé e apoie a o jornalismo independente.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO