Epidemiologista corrige cálculo que mostrou eficácia da Coronavac abaixo de 50%

Epidemiologista corrige cálculo que mostrou eficácia da Coronavac abaixo de 50%
Apresentação

A epidemiologista Denise Garret foi ao Twitter corrigir a informação de que a taxa de eficácia da Coronavac seria de 49% e não de 50,38%, como anunciado pelo Instituto Butantan.

“Parece que pelo protocolo do ensaio clínico da Coronavac, foi usado ‘hazard ratio’ para o cálculo de eficácia e não risco.”

Ela retuitou o cálculo do também epidemiologista Otavio Ranzani, que diz não ter tido acesso ao estudo do Butantan, mas citou o protocolo de testes.

“O protocolo público de agosto, o protocolo diz que a eficácia seria estimada por 1 – Hazard Ratio”, que compara a incidência instantânea com eventos registrados em diferentes grupos.

Como publicamos há pouco, o Butantan soltou nota rebatendo os questionamentos sobre o cálculo de eficácia.

No texto, diz que “não há nenhuma margem de dúvida quanto aos resultados divulgados nesta terça-feira, 12/1, e qualquer interpretação diferente é de quem desconhece a epidemiologia e os métodos científicos reconhecidos mundialmente”.

O Butantan, porém, não apresentou a fórmula efetivamente usada para o cálculo. Também não respondeu aos questionamentos da reportagem.

“Quem põe em dúvida o resultado apresentado especula contra a ciência e só favorece teorias conspiratórias”, diz o instituto.

Quem oferece números diferentes a cada semana e não dá transparência à divulgação de dados científicos favorece ainda mais.

Leia mais: Crusoé expõe o que está na mesa de negociações pela sucessão na Câmara e no Senado, entre elas a liberação bilionária de emendas, oferta de ministérios, promessas de implosão da Lava Jato, entre outras
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 116 comentários
TOPO