ACESSE

'Era preciso levar a pandemia a sério', diz Gilmar em recado a Bolsonaro

Telegram

Durante videoconferência promovida pelo MST hoje, o ministro Gilmar Mendes enviou recados claros ao presidente Jair Bolsonaro. Disse que, ao contrário do que vem dizendo o presidente, o STF agiu durante a pandemia para “evitar uma série de abusos”, e não para limitar a ação do governo federal no combate ao novo coronavírus.

“Enfatizamos sempre a necessidade de que nos pautássemos por uma medicina calcada em evidencias. Que fortalecêssemos as condições de governadores e prefeitos que defendessem a aplicação das orientações da OMS. Que não permitíssemos que, em lugar de medicamentos testados, se advogasse a utilização de placebos ou de falsos medicamentos. Era preciso que se levasse a pandemia a sério”, disse o ministro.

Gilmar falou em defesa da decisão do STF que declarou que os estados e municípios, e não só a União, são responsáveis por adotar medidas de combate à Covid-19 com base nas orientações da Organização Mundial da Saúde.

Desde a decisão, em março, Bolsonaro vem dizendo que o Supremo tirou dele poderes de agir no combate à pandemia.

Gilmar, então, disse hoje que “o tribunal defendeu a aplicação rigorosa do texto constitucional”. Para ele, o STF criou uma “jurisprudência de crise” e “não faltou ao Brasil; combateu o bom combate”.

Ele lembrou “abusos” que considera terem sido cometidos pelo governo Bolsonaro. Citou, por exemplo, a ideia de que as medidas provisórias, durante a crise, tivessem prazo ilimitado, o que permitiria ao governo editar decretos-lei; e a classificação de casas lotéricas, igrejas e salões de beleza como “serviços essenciais” para que voltassem a funcionar.

“Tudo isso resultaria numa grande confusão federativa”, declarou Gilmar.

Leia mais: Sócios no desastre: a responsabilidade dos governadores na pandemia. Clique aqui para ler mais

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 105 comentários