Ernesto quis 'simular saída honrosa para seu grupo extremista’, diz Kátia Abreu

Ernesto quis simular saída honrosa para seu grupo extremista’, diz Kátia Abreu
Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

Em entrevista ao Estadão, Kátia Abreu disse que Ernesto Araújo usou o Senado para tentar evitar sua demissão, ao ressuscitar uma discussão já vencida no governo sobre o aval à participação de chineses no leilão do 5G.

“[Ele] sabia que a tese de veto à China, que ele defendia, já estava vencida, que o presidente Jair Bolsonaro já havia formado convicção sobre o assunto, mas mesmo assim usou o assunto para se proteger covardemente. Esse é o nível de desonestidade dele”, afirmou a presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado.

O leilão do 5G está previsto para agosto, e o edital já está sob análise do TCU. Não houve nenhum veto à participação da Huawei, líder na tecnologia. O governo, porém, exigiu também que as teles construam uma rede exclusiva para uso do setor público, com critérios que impeçam a participação da tele chinesa.

Para Kátia, o chanceler demissionário quis “esconder os verdadeiros motivos de sua saída, que são a incompetência diplomática interna e externa”.

“Ernesto já deveria ter sido avisado de sua demissão e quis simular uma saída honrosa para seu grupo extremista.”

Leia mais: Crusoé mostra como a corte do STF volta a ser palco de troca de farpas entre ministros, intrigas e até ameaças após o julgamento da reeleição no Congresso.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO