ACESSE

Escritório de advocacia e instituto de pesquisa são alvos da PF

Telegram

A operação da PF de hoje que mira Renan Calheiros, Eduardo Braga e Vital do Rêgo fez buscas numa banca de advogados e procurou sócios de um instituto de pesquisa que teriam sido usados para efetuar repasses da JBS aos caciques do MDB em 2014.

Um dos mandados de busca expedidos por Edson Fachin visa coletar provas no Escritório de Advocacia Rubens Ferreira & Vladimir Silveira, em São Paulo. Em delação premiada, Ricardo Saud, ex-diretor da JBS, disse que pagou R$ 4 milhões para Vital do Rêgo por meio da banca.

O atual ministro do TCU teria recebido R$ 6 milhões no total, para apoiar a reeleição de Dilma Rousseff em 2014. Os outros R$ 2 milhões teriam sido pagos por meio da Makplan, empresa de comunicação, e em espécie.

A PF também intimou a depor sócios da Campus Centro de Estudos e Pesquisa de Opinião Ltda., sediada em Salvador. A empresa teria sido usada por Eunício Oliveira para receber R$ 2 milhões da JBS — o ex-senador teria recebido R$ 5,6 milhões para fechar a aliança com o PT.

Os pagamentos da JBS a membros do MDB do Senado teria alcançado mais de R$ 40 milhões e teria beneficiado também Jader Barbalho, Romero Jucá,  Edison Lobão e Valdir Raupp.

Exclusivo: áudio inédito joga luz sobre práticas suspeitas de membros do Judiciário. SAIBA MAIS AQUI

Comentários

  • Fátima -

    OAB protege a banca de um lado, enquanto G.Mendes alivia de outro.

  • Teresa -

    Lá vem a OAB protestar e o GM anular.

  • Paulo -

    Este caso mostra que escritórios de advocacia passaram a ser parte do crime organizado. Nao podemos aceitar que bandidos advogados tenham o privilégios de serem inimputáveis. Parabens Minis. Fachin.

Ler 17 comentários