Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Especialistas criticam 'negacionismo' do governo na crise energética

Membros do Instituto Clima e Sociedade alegam que o Planalto não apresentou até agora programas voltados para a economia no consumo
Especialistas criticam negacionismo do governo na crise energética
Foto: Analogicus/Pixabay

A postura do governo Bolsonaro diante da crise energética tem sido criticada por especialistas.

Um mês depois da criação da Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética, que trata do tema, a resposta do Planalto para enfrentar o risco de apagões ainda se limita a garantir a oferta de energia, sem programas voltados para a economia no consumo.

De acordo com o Ministério de Minas e Energia, a primeira iniciativa relacionada à demanda está em fase final de elaboração, mas ainda não há prazo para entrar em vigor.

Em mesa redonda com a imprensa ontem, membros Instituto Clima e Sociedade classificaram a resposta do governo à crise como negacionista, por minimizar os riscos e evitar incentivos à economia de energia pela população. Especialistas também afirmam que a postura do Planalto deve pressionar ainda mais a conta de luz, considerando que os custos das térmicas e da compensação às indústrias devem ser divididos por todos os consumidores. A previsão do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) é que haja um esgotamento de praticamente todos os recursos energéticos em novembro.

O Ministério do Meio Ambiente afirmou, em nota emitida nesta terça (27), que mantém no ar uma campanha pelo uso consciente de energia e água e que as medidas já em vigor estão produzindo os resultados esperados. O nível dos reservatórios, no entanto, permanece em queda.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO