Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Esquema de Witzel repete o de Cabral e Pezão, diz MPF

Esquema de Witzel repete o de Cabral e Pezão, diz MPF
Foto: Carlos Magno

O MPF dividiu o esquema criminoso liderado pelo governador afastado do Rio Wilson Witzel em três eixos: um liderado pelo presidente do PSC, Pastor Everaldo; um pelo empresário Mário Peixoto; e outro pelo empresário da área de educação José Carlos de Melo, ex-pró-reitor da Universidade de Iguaçu (Unig).

As alegações foram feitas ao ministro do STJ Benedito Gonçalves, que afastou Witzel e mandou prender os demais envolvidos. Há mandados de prisão também contra os empresários e sócios Alessandro Duarte e Cassiano Luz, que já estão presos por causa de outra operação.

Veja:

De acordo com as informações do MPF ao STJ, o esquema de Witzel foi uma continuidade da organização criminosa montada pelos antecessores Luiz Fernando Pezão e Sérgio Cabral, ambos presos.

“Vivemos num túnel do tempo”, comentou hoje o coordenador da Lava Jato no Rio, o procurador da República Eduardo El Hage, em entrevista coletiva.

Leia trecho da decisão:

O MPF afirma ainda que a esposa de Witzel, a advogada Helena Witzel, era quem recebia a propina destinada ao governador afastado por meio de contratos de advocacia.

Segundo os investigadores, ela recebeu pelo menos R$ 280 mil da empresa GLN Serviços, que administra o Hinja, hospital do ex-prefeito de Volta Redonda Gothardo Lopes Neto, também preso hoje.

Witzel nega as acusações e acusa a investigação de ter motivação política.

 

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO