“Essa ação de hoje será inócua e a população não vai ver resultado nenhum”

Continua parada no Congresso uma proposta em tramitação desde 2003 para transferir da Justiça Comum para a Justiça Militar os casos de crimes contra a vida praticados por militares das Forças Armadas em atividade oficial.

No mês passado, O Antagonista tratou desse assunto aqui.

A redefinição do foro militar é fundamental para que a atuação das Forças Armadas em situações como a de hoje faça algum sentido.

“Sem a aprovação desse projeto, me desculpem, tudo isso aí que estamos vendo na televisão o dia inteiro não vai adiantar nada. É um desperdício. Manter as tropas federais no Rio custa caro ao país e hoje os militares não têm liberdade para atuar, não podem atirar em confronto com os bandidos, não podem fazer praticamente nada”, afirmou a este site a deputada Cristiane Brasil, do PTB do Rio, autora de um pedido de urgência para votação da matéria, ainda ignorado.

Ela acrescentou:

“Esses homens do Exército vão ficar na parte de baixo dos morros, não vão subir. O que eles estão fazendo é algo ineficaz, é tapar o sol com a peneira. Essa ação de hoje será inócua e a população não vai ver resultado nenhum. Continuaremos reféns da bandidagem.”

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Proposta daqui, proposta de lá… vou deixar a minha, quem sabe ela resolva a causa maior de todos os problemas. Que tal:
    – Liberarem a guilhotina e POLÍTICOS e JUÍZES SAFADOS serem julgados por JUSTIÇA POPULAR?

Ler mais 15 comentários
  1. Proposta daqui, proposta de lá… vou deixar a minha, quem sabe ela resolva a causa maior de todos os problemas. Que tal:
    – Liberarem a guilhotina e POLÍTICOS e JUÍZES SAFADOS serem julgados por JUSTIÇA POPULAR?

  2. Que não vai adiantar em nada contra os donos do morro é bem provável, mas como cortina de fumaça pro governo para desviar a atenção das noticias funciona que uma beleza e já funcionou antes. (funaro quem é funaro ? hã quem, conta exterior hã , milhões de reais dinheiro aos montes hã hã … )
    O cerco que resolveria isso tudo é um cerco a Brasília.

  3. VAMOS DAR IDEIA
    1 MILITAR DEVE SER JULGADO EM TRIBUNAL MILITAR
    2 LEI ANTI TERROR, QUEIMAR ONIBUS, CARREGAR FUZIL, CADEIA DE 20 ANSO PARA CIMA.
    3 JOVENS MENORES NAS RUAS EM HORARIO ESCOLAR DEVEM SER CHAMADOS OS PAIS E TOMAR PROCESSO
    4 FECHAR FRONTEIRAS PQ O BRASIL NAO PRODUZ FUZIL E NEM PLANTA COCAINA
    LEI DO MENOR , MAIS DE 16 RESPONDE COMO MAIOR .
    5, DECRETAR `136 DA COSNTITUIÇAO-

  4. Se os policiais Militares e Civis, que sobem o morro, são julgados pela justiça comum, pq os militares das Forças Armadas, querem tratamento diferenciado? Querem ser polícia, o tratamento deve de ser o mesmo das polícias, sem privilégio para ninguém…..

  5. o que ela falou tem certa razão se um militar matar alguem no morro o que vai aparecer de direito dos manos, promotorzeco e Juizeco querendo a cabeça deles será enorme e com os juizecos não se pode falar nada mais eles podem tudo agora com estado de defesa é outro assunto as forças armadas teriam autonomia total para agir

    1. mais na minha opinião não decretaria tal medida existem muitos oportunistas nessa cruzada eles querem fama viram que existe um apoio maciço da população as forças armadas e querem surfar nessa onda.

  6. Danúbia Rangel, mulher de Nem, foi solta pelo desembargado Siro Darlan em março do ano passado. Na semana seguinte, ela foi julgada e condenada a 28 anos de prisão por tráfico de drogas, associação com o tráfico e corrupção. Passou, então, a ser foragida e nunca mais foi presa.
    Em abril deste ano, o advogado de Danúbia entrou com pedido de prisão domiciliar. O objetivo era que ela deixasse de ser foragida e passasse a cumprir a pena em casa.
    Três desembargadores da 7ª Câmara Criminal avaliaram o caso. Dois foram contrários. Apenas Siro Darlan votou a favor da prisão domiciliar.
    Siro Darlan já havia sido responsável pela libertação de oito traficantes da quadrilha de Nem envolvidos na invasão em 2010 do Hotel Intercontinental, em São Conrado. Um deles era Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, que agora tenta assumir o comando do tráfico de drogas na Rocinha.
    Esta semana, o porta-voz da Polícia Militar, Major Ivan Blaz, criticou a Justiça por libertar bandidos perigosos.

  7. pobre forças armadas
    precisaram fazer vigilia na copa, nas olimpiadas
    e hoje precisam ficar de olho na garotada fumando baseado no rock in rio
    tem gente delirando pelo desperdício ali na terra do cabral…