Essa conta (2)

Rogério Lins foi libertado em 30 de dezembro, sem pagar a fiança de R$ 300 mil, porque o desembargador Flávio Gouveia, do Tribunal de Justiça de São Paulo, aceitou o argumento de seus advogados de que o recesso bancário, devido às festas de fim de ano, impedia o pagamento naquele dia.

Mesmo que sacasse tudo o que tinha em contas bancárias e fundos, o novo prefeito de Osasco obteria apenas cerca de metade de sua fiança.

Faça o primeiro comentário