“Essa dependência permanente da verba pública tem que acabar”

Para as próximas eleições, o ministro do STF Luís Roberto Barroso apoia um financiamento público menor que o de R$ 3,6 bilhões, mas defende o fim desse sistema a longo prazo.

“A meta tem de ser acabar com o fundo. A política precisa ser financiada pela cidadania. Você vai conquistar adeptos, fazer crowdfunding, financiamento por meio de pequenas quantias, geralmente doadas pela internet por pessoas físicas, vai à sociedade buscar dinheiro. Essa dependência permanente da verba pública que se criou no Brasil para tudo tem que acabar. A sociedade tem que acabar com essa dependência do Estado. Esse paternalismo que existe no Brasil em relação a tudo precisa diminuir”, disse Barroso ao Estadão.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Só faltava essa, me obrigarem a pagar propaganda de pessoas que detesto, que não valem nada, que só me prejudicam, já não chega os salários deles que temos que arcar?

Ler mais 15 comentários
  1. Só faltava essa, me obrigarem a pagar propaganda de pessoas que detesto, que não valem nada, que só me prejudicam, já não chega os salários deles que temos que arcar?

  2. Pantafernando (@Pantafernando) disse: 19 de agosto de 2017 às 18:16
    Barroso, por que não te calas?
    Esquerdista estúpido, não consegue ver a realidade nem que ela esteja escancarada na sua frente. Fica vivendo nesta bolha que só o funcionarismo público propicia.
    Acrescentando Pantafernando, esse “ministro” foi o relator do processo que acabou com a doação das empresas dizendo, no direito criativo, ser “inconstitucional” e agora vem dar uma de vestal e dizer que deve ser financiamento através de crowdfunding, contudo, empresas também fazem parte da cidadania e da sociedade. Asqueroso esse “cidadão”, não sei se acha deputado, senador ou palpiteiro…!!!

  3. Concordo.

    Financiamento público precisa acabar.
    Se tivermos voto distrital puro ou misto, os custos de campanha podem diminuir muito, daí é viável financiamento por pessoa física, limitado por CPF. Para doações mais altas, acima de certos valores, cruzamento automático de dados pela receita com as informações da declaração do IR.

    1. Aí está uma solução. Porém não estão interessados em uma saída real. Estão desesperados porque as tais “doações legais, declaradas ao TSE e por este aprovadas” deixarão de existir. Ou melhor, se não voltarem atrás.

    2. Eis aí uma solução viável. Ela desfaz toda a argumentação para soluções casuísticas que estão em gestação.

  4. O maior gasto público hoje no Brasil é pra manter a casta privilegiada do Poder Judiciário e do MPF: R$ 80 bilhões por ano. Fora Estados e Municípios. E fora as aposentadorias desses marajás.

    1. O Brasil tem vários problemas graves. Esse é outro grande problema.
      Funcionário público deveria receber rendimentos suficientes para viver dignamente.
      Óbvio que carreiras que exigem maior especialização e responsabilidade precisam ser bem remuneradas… mas, não tornar esses servidores milionários.

  5. Ministro as EMPRESAS também pertencem a SOCIEDADE, sem elas alias não existe sociedade. O que o Brasil precisa é que a INSTITUIÇÕES que fiscalizam façam sua parte, coisa que nenhuma delas tem COMPETÊNCIA para executar, pois são todas CONIVENTES com a ROUBALHEIRA no Brasil. Brasil um país falido eternamente.

  6. Barroso, por que não te calas?
    Esquerdista estúpido, não consegue ver a realidade nem que ela esteja escancarada na sua frente. Fica vivendo nesta bolha que só o funcionarismo público propicia.

    1. então a resposta é mais estado, pode não concordar com certas ideias dele, mas isso de menos estado não é esquerda