Estados burlam lei e concedem aumentos na pandemia

Estados burlam lei e concedem aumentos na pandemia
Foto: Adriano Machado/Crusoé

Pelo menos sete estados burlaram a lei aprovada pelo Congresso no ano passado e abriram brechas para reajustes salariais para o funcionalismo, informa o Estadão.

O Rio de Janeiro incluiu no Orçamento a possibilidade de elevar em 11% a remuneração do governador e de integrantes do primeiro e segundo escalão do Executivo.

Em Goiás, foi aprovado reajuste de 64,61% para professores temporários que não recebiam o piso salarial da categoria. O Pará deu aumento de 3% para delegados da Polícia Civil, além de um abono retroativo a servidores da segurança.

Mato Grosso do Sul discute um adicional de periculosidade a fiscais tributários. Em Minas Gerais, foi sancionada lei que amplia gratificações para juízes. No Rio Grande do Sul, haverá concursos para 3,4 mil novos servidores da Educação e Saúde.

Municípios também driblaram a restrição: São Paulo e Manaus aprovaram reajustes para prefeito e secretários de governo.

A lei que proíbe reajustes foi proposta por Paulo Guedes para que repasses do governo federal para combater a pandemia não fossem para o ralo.

Leia mais: Enquanto Brasília faz tudo errado, a Crusoé continuará fazendo o certo: fiscalizando o poder.
Mais notícias
TOPO