ACESSE

Estatal paranaense investiga propina para Ricardo Barros delatada pela Galvão

Telegram

A Copel (estatal de energia do Paraná) criou uma comissão para investigar a acusação de que houve pagamento de propina ao deputado Ricardo Barros na aquisição da São Bento Energia.

Como O Antagonista revelou ontem, ex-executivos da Galvão Engenharia disseram, em delação premiada, que recorreram a Barros para convencer a cúpula da estatal a adquirir a participação que o grupo detinha num parque eólico em construção.

Barros teria recebido mais de R$ 5 milhões no negócio. O deputado, que assume a liderança do governo na Câmara na terça-feira, nega as acusações.

De acordo com termos de colaboração, os valores foram negociados e pagos entre 2011 e 2014. Barros teria recebido R$ 1,55 milhão em espécie e outros R$ 3,53 milhões em doações eleitorais via Diretório Nacional do PP (Progressistas), do qual era tesoureiro.

Em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Copel afirmou que criou a comissão no ano passado, após ter sido notificada pelo STF sobre a delação premiada dos executivos.

“A colaboração premiada foi homologada em 1 de agosto de 2019 pela Corte máxima do país. O processo, no qual a Copel é vítima, corre sob sigilo no STF”, diz trecho do comunicado.

Ainda de acordo com a estatal, sua atual diretoria não conta com nenhum membro do período investigado.

Claudio Dantas comenta aqui a reportagem exclusiva sobre a delação que atinge o novo líder do governo Bolsonaro.

Leia mais: Por que os depósitos de Queiroz para Michelle Bolsonaro NÃO foram incluídos na investigação da 'rachadinha'? Estratégia

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 31 comentários