A ‘estratégia suprapartidária’ do Livres

O grupo Livres, que deixou o PSL depois da aliança da sigla com Jair Bolsonaro, anunciou que vai adotar uma “estratégia suprapartidária” nas eleições deste ano, informa a Exame.

Membros do movimento estão em conversas com Novo, PPS, Rede e Podemos e podem se candidatar por esses partidos.

“O acordo é que tenhamos independência para defender os nossos valores em siglas que deem espaços para nossas propostas. O grande objetivo sempre foi trazer as ideias liberais para a realidade”, disse Paulo Gontijo, o presidente do Livres.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. kkkkkkkkkkkkk…Rede? Podemos? Esses caras são tão idiotas que prefere se filiar a partidos de esquerda do que apoiar o único candidato de direito. Só demonstram que são mais do mesmo.

Ler mais 34 comentários
  1. kkkkkkkkkkkkk…Rede? Podemos? Esses caras são tão idiotas que prefere se filiar a partidos de esquerda do que apoiar o único candidato de direito. Só demonstram que são mais do mesmo.

  2. Pela lista de partidos o liberalismo econômico não é a prioridade, o importante é o marxismo cultural.
    Felizmente o Mito ficou livre dessa falácia para poder apresentar seu programa reacionário nos costumes e liberal na economia.

  3. Rá! Tirando o partido NOVO, os demais partidos dessa lista (PPS, REDE e Podemos) são partidos socialistas, e não exista nada de liberal em partidos dessa natureza.
    Percebe-se então, que a saída do Livres do PSL, foi apenas uma choradeira de criança pequena, não teve nada de ideologia, só não aceitavam Bolsonaro, e como o Jair foi mais forte que as crianças birrentas, então eles saíram falando mal de tudo e todos. Típica reação de guri pequeno!!!

  4. Com certeza absoluta o Novo30 não é lugar para o tal Livres! Não devem nem passar no teste de candidatos e nem gastem seus 600 reais, pois o Novo30 exige que sigam o Estatuto .

  5. Já começa mal esse Livres. Primeiro, negocia com partidos com lideranças das mais suspeitas e tendenciosas desse país; segundo, quer usá-los para se promover. Já que tem valores próprios, por que não funda um partido para si?

  6. Toda isso se originou devido a frustração diante do fracasso de ver o partido psl se transformar em um psdb 2.0:

    www.josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2018/01/06/bolsonaro-interditou-o-pouso-de-tucanos-no-psl/

    E ainda escolhem partidos progressistas e globalistas. Pra começar, 2 partidos são integrantes do Foro de SP, que é um grupo formado pelas esquerdas partidárias latino americanas, do qual faz parte até as Farc, da Colômbia. O Podemos e o Novo é flexíveis demais no progressismo (apesar da perfumaria econômica), salvas as exceções.

    Poucos respondem se interpelados sobre essas questões, que influem sim na maneira de ditar os rumos do país na cultura, educação, segurança, investimentos, acordos diplomáticos e econômicos entre nações (e com quais nações, e é bom dizer)…

  7. Não sou o único a saber que já vão tarde. Tem mesmo que se submeter a outro(s) pois, começando da esquerda o partido é LIVRES e pela direita é SERVIL, o que Bolsonaro não é. Não é livre por ter consciência ética, nem servil por não dever obrigação política a quem quer que seja.

  8. Tirando o partido NOVO, os demais partidos dessa lista (PPS, REDE e Podemos) são partidos socialistas, e não exista nada de liberal em partidos dessa natureza.
    Percebe-se então, que a saída do Livres do PSL, foi apenas uma choradeira de criança pequena, não teve nada de ideologia, só não aceitavam Bolsonaro, e como o Jair foi mais forte que as crianças birrentas, então eles saíram falando mal de tudo e todos. Típica reação de guri pequeno.

    1. Crianças birrentas foi ótimo. E são realmente marca registrada da esquerda a choradeira, s “ideologia”, o “debate”, o “apanhar e sair correndo” xingando quem bateu, bem pueril a prole da casa-de-mãe-joana. Nunca alcançarão o conhecimento ou sabedoria, o intercâmbio de ideias e a inteligência emocional.

  9. A completa ausência de estratégia eleitoral de Jair Bolsonaro, que não consegue sequer concretizar uma transferência partidária, preocupa os filhos.
    Carlos e Flávio Bolsonaro têm dito a interlocutores que se arrependem, e muito, do rompimento com o PSC.
    Temem ver seus planos eleitorais destruídos pela intempestividade do pai.

    1. Fofoca desmentida no ato, troll.

      https://twitter.com/CarlosBolsonaro/status/955462147890323456