Estudo da USP mostra efetividade da Coronavac entre profissionais de saúde

Estudo da USP mostra efetividade da Coronavac entre profissionais de saúde
Foto: Christiano Antonucci /Secom - MT

Um estudo divulgado pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP nesta quarta (7) mostrou efetividade de até 73,8% da Coronavac a partir de cinco semanas após a segunda dose. Mais de 20 mil profissionais do complexo foram vacinados.

“Nesse estudo, falamos em efetividade da vacina porque é uma aplicação na vida real, diferente do que é realizado nos ensaios clínicos, que avaliam a eficácia em condições específicas e consideradas ideais”, afirmou em nota a chefe da Divisão de Moléstias Infecciosas e Parasitárias do HCFMUSP, Anna Sara Levin.

Para o cálculo de efetividade, o estudo comparou a evolução da doença entre os profissionais vacinados e a cidade de São Paulo como um todo.

“Em 2020, antes de haver vacina disponível, as ocorrências de COVID-19 mantiveram o mesmo padrão tanto no HC quanto no município de São Paulo”, diz o texto.

Mas as curvas começaram a se distanciar depois da vacinação.

Na última semana de março foram registrados 23,9 mil casos novos da doença na capital paulista, contra 46 no Hospital das Clínicas.

“Se a tendência de crescimento de casos no município fosse a mesma no complexo, a expectativa no HC seria superior a 175 ocorrências de COVID-19 na última semana de março, mas, com a vacinação, o número observado foi 73,8% inferior”.

Dito de outra maneira: sem vacinação, o esperado era que 175 profissionais do Hospital das Clínicas contraíssem a doença naquele período. Mas o número real foi de 46 casos, 73,8% a menos.

Reprodução/HCFMUSP
No gráfico acima, a curva azul mostra a evolução da pandemia entre os profissionais do HC e a curva preta na população da cidade. As curvas não estão na mesma escala.

Os profissionais de saúde do HC tomaram a 2ª dose da Coronavac entre 14 e 16 de fevereiro.

Leia tambémCoronavac é 50% eficaz contra variante de Manaus depois da primeira dose

Leia mais: Assine a Crusoé, a revista que não tem medo de apontar os verdadeiros culpados pelas mazelas brasileiras.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO