ACESSE

"Eu não vou falar com ele", diz Bolsonaro sobre diretor do Inpe

Telegram

Jair Bolsonaro comentou as declarações do chefe do Inpe, Ricardo Magnus Osório Galvão, que ontem disse que o comportamento do presidente foi “pusilânime” e “covarde” ao colocar em dúvida os dados sobre o desmatamento divulgados pelo instituto.

“Eu não vou falar com ele. Quem vai falar com ele vai ser o ministro Marcos Pontes [Ciência, Tecnologia e Inovação] e talvez também o Ricardo Salles [Meio Ambiente]. O que nós não queremos é uma propaganda negativa do Brasil. A gente não quer fugir da verdade, mas aqueles dados pareceram muito com os do ano passado”, afirmou Bolsonaro.

Ontem, o diretor do Inpe criticou o presidente e afirmou que não pedirá demissão do cargo.

“Ele [Bolsonaro] tomou uma atitude pusilânime, covarde, de fazer uma declaração em público talvez esperando que peça demissão, mas eu não vou fazer isso. Eu espero que ele me chame a Brasília para eu explicar o dado e que ele tenha coragem de repetir, olhando frente a frente, nos meus olhos.”

De acordo com os dados do Inpe, houve um aumento de 88% no desmatamento da Amazônia em junho, em relação ao mesmo período do ano passado.

Durante o café da manhã com correspondentes da imprensa estrangeira, na última sexta-feira, Bolsonaro disse: “Nosso sentimento é de que isso não coincide com a verdade. Parece até que [o Inpe] está a serviço de alguma ONG”.

O capitão enquadra os generais. Saiba tudo

Comentários

  • RENATO -

    Tenente, pare de criar uma crise por dia. Você parece mais Cabo do que oficial.

  • Edelson -

    Claro! Você não tem argumento presidente!

  • Lucia -

    O INPE não está à serviço do país, se estivesse não tinha lavado a roupa suja no exterior. Lavava aqui dentro primeiro e apresentava a nota da lavanderia com as devidas considerações.

Ler 166 comentários