ACESSE

"Eu sairia de lá e entregaria meu chapéu"

Telegram

O general Paulo Chagas definiu a reunião ministerial de 22 de abril como “uma grande fanfarronada, principalmente da parte do presidente”.

Em entrevista ao UOL, ele acrescentou:

“Eu te digo, se eu sou convidado para ser ministro e estivesse lá no meio daquele tumulto todo, sairia de lá e entregaria meu chapéu. Ia dizer: sinto muito, mas não estou me sentindo bem aqui e estou fora.”

Sobre o sistema particular de arapongagem de Jair Bolsonaro, ele disse:

“Qualquer um que vai buscar a informação protegida está cometendo um crime, porque a pessoa estaria fazendo uma operação para penetrar onde não deve ir. Vejo com tristeza o presidente revelar isso. Quando disse na reunião ministerial que tinha um serviço pessoal de inteligência, não me impressionou. Mas quando ele disse que recebe informações de policiais militares e civis das investigações que estão em curso, fica complicado. E não sou eu quem vai cobrar do presidente, mas ele será cobrado por isso, pela Suprema Corte, pelo Congresso. Porque isso não é possível, não deve ser assim.”

Leia também: JORNALISMO DE VERDADE NÃO É PARA AGRADAR AOS PODEROSOS

Comentários

  • Sergio -

    👏👏👏👏👏👏👏

  • Gilberto -

    Engana-se o Gen PC. Em nenhum momento foi falado em informação protegida ou inquéritos. O PR falou que tem amigos Brasil afora que lhe falam o que está acontecendo, só isso. Nada ilegal ou imoral.

  • Josimar -

    A instituição mais bem avaliada pelos brasileiros está Costeando o alambrado,vai sair salpicada.

Ler 97 comentários