Exclusivo: à PF, vice do Amazonas se diz inocente e joga fraude de respiradores no colo de Wilson Lima

Alvo da investigação sobre a compra superfaturada de respiradores para o combate à Covid-19, o vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida, disse à Polícia Federal que desconhece o dono da Vineria Adega, a fornecedora dos equipamentos adquiridos por sua gestão.

Ele também afirmou não ter qualquer relação com Gutemberg Alencar, apontado como homem de confiança do governador Wilson Lima e responsável por intermediar o negócio.

Em depoimento, obtido com exclusividade por O Antagonista, o vice disse que Alencar lhe foi apresentado como coordenador da campanha e só passou a ter contato com ele em março, por decisão de Wilson Lima.

“Tinha má fama no Amazonas (…) má fama de ser truculento, arrogante, e por isso queria distância dessa pessoa (…) quando do início da pandemia, Wilson Lima o contatou afirmando que Alencar queria ajudar o governo a combater a doença.”

Segundo ele, muitas pessoas apareceram, mas que “era necessário fazer um filtro” e que, nesse sentido, foi muito “criterioso”. Almeida afirmou também desconhecer o dono da empresa Sonoar, que participou do negócio, e garante que nunca tratou de negociações envolvendo a compra dos respiradores.

Mas que, “enquanto chefe da Casa Civil”, sua função “era cobrar dos servidores das pastas que realizassem a compra do equipamento” e que “sofria pressão inclusive do Ministério Público”. O vice-governador garante ainda que “nunca recebeu qualquer vantagem indevida”.

Leia mais: Marco Aurélio e o caso André do Rap: como a lei (e a mais alta corte do país) pode ser usada para libertar um criminoso considerado perigoso?
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 3 comentários
TOPO