Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Exclusivo: a startup da família de André Mendonça

Tios do candidato favorito para o STF se associaram a investidores ligados a Silas Malafaia para a exploração de grafeno, o minério milagroso de Jair Bolsonaro
Exclusivo: a startup da família de André Mendonça
Foto: Isac Nóbrega/PR

Itamar Tavares de Mendonça e João Roberto Tavares de Mendonça são tios do terrivelmente evangélico André Mendonça, advogado-geral da União e o provável nome de Jair Bolsonaro para o Supremo Tribunal Federal. Itamar e João Roberto são sócios da empresa Mendonça Pesquisa Mineral LTDA, aberta em 11 de fevereiro de 2019, pouco mais de 1 mês depois da posse do presidente.

Apesar de novata, a Mendonça Pesquisa Mineral já obteve junto à Agência Nacional de Mineração (antigo DNMP) uma dezena de alvarás de pesquisa, dos quais metade para ouro e outros dois para grafita, minério do qual se extrai o grafeno — o “ouro do futuro”, segundo Bolsonaro.

De fato, o grafeno é um material revolucionário, sendo o cristal mais fino e leve conhecido, além de excelente condutor elétrico, com altíssima resistência e impermeável, sendo aplicado na construção civil, em telecomunicações, medicina, eletrônica, entre outros.

Em março de 2019, quando a Mendonça Pesquisa Mineral estava sendo constituída, o presidente da República visitou o Centro de Pesquisas Avançadas em Grafeno, Nanomateriais e Nanotecnologias da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), especializado no material. “Falei com o Pontes, nós temos de encontrar uma maneira de o governo colaborar para pesquisa do grafeno, quem sabe nosso primeiro Prêmio Nobel não venha daí um dia? Eu tenho esperanças que sim”, disse Bolsonaro.

O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, que integrava a comitiva, ressaltou a necessidade de se criar uma rede de cooperação com alguma startup do setor: “Ela pode desenvolver o conceito, pode ser até que tenha um protótipo, mas ela não consegue escalar o produto por si mesma — porém, conseguiria através desse networking, com oferta de conhecimento, ajuda financeira. Logo, esses centros de tecnologia aplicada têm, principalmente, a função de transformar conhecimento em produtos e na criação de startups. Tudo isso faz parte de uma mudança no Brasil para usar a ciência e tecnologia e alavancar o desenvolvimento econômico e social.”

Um levantamento  feito por O Antagonista revela que a empresa dos tios de André Mendonça obteve naquele mesmo ano a primeira licença de pesquisa de grafita. Um primeiro pedido foi protocolado em 10 de maio de 2019, por João Roberto Mendonça, para pesquisa de “minério de ouro e grafita no município de Juquiá, no Vale do Ribeira. A outorga saiu menos de quatro meses depois, em 2 de setembro.

Onze dias mais tarde, a Mendonça Pesquisa Mineral entrou com novo pedido de alvará de pesquisa para “minério de ouro, areia, caulim, grafita e granito”, em Pedro de Toledo, na mesma região. Após o cumprimento de uma exigência formal, a licença foi publicada pela ANM em julho de 2020. A empresa ainda conseguiu a cessão de outros dois alvarás para pesquisa de ouro, em Miracatu. A transferência de titularidade das licenças foi autorizada pela Agência Nacional de Mineração em apenas 1 mês.

Com um portfólio robusto, a ‘startup’ dos Mendonça atraiu rapidamente a atenção de investidores amigos: Jorge Vacite Neto, advogado do pastor Silas Malafaia, e o pastor Michael Aboud.. Malafaia é o mais fervoroso defensor do nome de André Mendonça para o Supremo.

Vacite Neto e Aboud constituíram com os tios de André, em novembro de 2019, uma nova empresa batizada de Palm Miracatu.

No contrato social, obtido pela reportagem, consta também como sócios o grupo árabe Al Nakhla Investimentos e Participações, comandado pelo casal de sírios naturalizados brasilerios Mohamad Al Shekh Hasan e Hala Alsalib, além da empresa Nova Orleans Participações, registrada em nome da pastora Scarlett Gasparetto, sócia de Aboud na Igreja Embaixada do Reino Deus.

No site do grupo Al Nakhla, a Palm Miracatu é apresentada como o “projeto greenfield com o menor custo operacional estimado no Brasil”, diz também que possui uma “forte parceria” com o Mackgraphe, o centro de pesquisas da Mackenzie. O escritório brasileiro do grupo fica num complexo empresarial da Barra da Tijuca, próximo ao condomínio de Bolsonaro.

Não é a primeira vez que o nome de Malafaia surge associado ao mercado de mineração. Em 2016, ele foi alvo da Operação Timóteo, que desbaratou esquema de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo royalties da exploração mineral. De acordo com a Polícia Federal, Malafaia recebeu um cheque de R$ 100 mil de um dos escritórios investigados e o depositou em uma conta pessoal.

O pastor, que chegou a ser conduzido coercitivamente, disse à PF que foi alvo de arbitrariedade, pois o dinheiro seria “uma doação de um empresário” e que “declarou tudo à Receita”. “O Michael Aboud, meu amigo há mais de 20 anos, trouxe um membro da igreja dele que é empresário para me dar uma oferta pessoal. Me deu uma oferta de R$ 100 mil, depositada na minha conta, declarada no imposto de renda meu e da minha esposa, porque eu tenho conta conjunta”, afirmou Malafaia na ocasião. O pastor acabou indiciado com outros 49 investigados.

Malafaia, que fala quase diariamente com Bolsonaro, disse a O Antagonista desconhecer o negócio de mineração envolvendo seu advogado, seu amigo e os tios do AGU. Jorge Vacite Neto, por sua vez, afirmou à reportagem que conheceu Itamar e João Roberto de Mendonça “por indicação” do centro de estudos de grafeno da Universidade Mackenzie e só descobriu o parentesco com André Mendonça “depois que já tinha assinado o distrato” do negócio, que, segundo ele, durou apenas seis meses.

Ele disse que esperava investir na exploração de grafeno, “mas o negócio não foi para frente”. “Nem chegamos a abrir conta bancária. Assinamos um distrato em junho de 2020.” Mas o documento, firmado em 10 de dezembro de 2020 com data retroativa, nunca foi arquivado na Junta Comercial. Ou seja, formalmente a empresa segue em atividade. Por telefone, Sérgio Novaes, sócio administrador da Mendonça Mineração, disse que não tinha “satisfações para dar” sobre o negócio. André Mendonça não retornou os contatos, mas o espaço permanece aberto.

Itamar Mendonça, sócio e tio de André, afirmou que está “no negócio da grafita” desde 2012 e que seu pai “já falava em grafeno” desde a década de 50. “O Bolsonaro veio saber do grafeno com a gente”. Ele comentou ainda que a parceria com Vacite e Aboud “durou pouco” por causa de um “desentendimento sobre o investimento”, mas mantém a “relação amigável” e que já está em negociação com um “grupo local”. Ele nega que haja “conflito de interesses” pelo fato de seu sobrinho ser integrante do governo.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO