Exclusivo: A sucessora da empresa do “garçom de Lula”

Alexandre Romano, que distribuía a propina desviada pela Consist para o PT, revelou à Polícia Federal que a CRLS, empresa de Carlos Cortegoso, foi sucedida no esquema pela Politec. Romano disse à PF que Luiz Gushiken lhe indicou o escritório de Guilherme Gonçalves, ligado à Gleisi Hoffmann, mas também uma empresa de tecnologia da informação chamada Politec; ambas “seriam beneficiárias dos valores devidos” a Gushiken.

Romano contou à PF que, no caso da Politec, o contato foi um sujeito chamado “Hélio”, que se dispôs a colaborar na missão de “auferir remuneração em suposto benefício a Gushiken”. Segundo Romano, “a ideia era que as empresas seriam continuamente remuneradas pela Consist e que estariam à disposição da Consist para serviços eventuais”.

O Antagonista apurou que “Hélio” é Hélio Santos Oliveira, um dos sócios da Politec. No próximo post, vamos explicar o que é a Politec.

Carlos Cortegoso, o Carlão, vocês já sabem quem é.

Confira o trecho do depoimento de Alexandre Romano:

Veja mais em:

Exclusivo: As notas fiscais da Politec

Exclusivo: Politec faturou quase meio bilhão no governo PT

Faça o primeiro comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200