Exclusivo: Adélio foi reprovado em entrevista de emprego 9 dias antes do atentado

O Antagonista descobriu que Adélio Bispo de Oliveira tentou arrumar emprego ao chegar em Juiz de Fora, na segunda quinzena de agosto.

Ele distribuiu seu currículo em várias empresas. No dia 28, foi chamado pelo RH do grupo Bahamas Supermercados. Na entrevista, porém, acabou reprovado.

O avaliador considerou seu discurso “muito linear, sugerindo omitir informações”.

Adélio disse ter se mudado para Juiz de Fora 12 dias antes, depois de ter morado no Sul. No formulário, obtido com exclusividade por O Antagonista, ele indicou como endereço a pensão de Aparecida Maria da Costa.

O homem que tentou matar Jair Bolsonaro contou também ter trabalhado num navio, mas não apresentou registros.

“Apresenta muita instabilidade em CTPS, chegando a trabalhar no máximo 9 meses. Não passou segurança para sua contratação. Não sugere compromisso com o ambiente de trabalho”, escreveu o avaliador.

Você sabe das novas revelações sobre o atentado a Bolsonaro? O mistério aumenta. Confira AQUI.

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 55 comentários
  1. É bem o tipo de eleitor do Lula ladrão. Vivia de seguro desemprego. É um safado mesmo, além de criminoso. Como pode alguém pagar para defende-lo. Com certeza ele só vai mentir nas entrevistas.

  2. Isso aí é uma alcateia, não um lobo solitário. Confio na tropa, nos peritos, nos legistas, nos investigadores, nos agentes que vão às ruas… mas nas autoridades nomeadas… sem concurso…

  3. Adélia é hoje o que Dilma foi no passado, não serve para nada que não seja terrorista político de fácil contratação pela esquerda criminosa. Voltando o PT ele poderá ser presidente em alguns

    1. 🇧🇷 disse, em 24 de setembro de 2018 às 12:44:
      “DILMA e PIMENTEL devem estar por trás disso”. E o Zé Dirceu por trás dos dois. Tramou com Aécio, que acertou com Temer os “finalmente”

  4. Cláudio Dantas, enviei por email para você e Crusoé. O delegado da PF Rodrigo Morais, que preside o inquérito do esfaqueamento de Bolsonaro, já foi assessor de Pimentel, governador petista de MG.

    1. Google informa : Delegado Rodrigo Morais Fernandes, tem sob seu comando a assessoria de Integração das Inteligências do Sistema de Defesa Social.

  5. Cláudio Dantas, veja isso! O delegado da PF Rodrigo Morais, que preside o inquérito do esfaqueamento de Bolsonaro, já foi assessor de Pimentel, governador petista de MG. Até a PF aparelhada!

  6. Ser reprovado no país nem sempre é demérito …Vejam o caso da mais alta Corte , ela abriga um “membro” reprovado p/juiz . Quanto ao Adélio, a vocação dele é outra e mt bem remunerado .

  7. Essa tática faz parte do plano para que pareça atuar só! A ideia foi essa, e como não foi linchado, tinha advogados de plantão financiados pelo PT/pcc e ongs de direitos dos desumanos.

  8. OK como noticia. Mas que é uma baita invasão de privacidade, não se discute.O mais importante é continuar a investigação e confirmar ou descartar de vez a motivação para o crime absurdo feito

    1. Exatamente! Mas por qual razão a PF poderia parecer menos perspicaz q um avaliador sem o treinamente que tem a PF? Enquanto a PF engole a versão lobo solitario, o avaliador desconfiu d algo +?