ACESSE

Exclusivo: Além de ex-ministro, doleiro entregou deputado e ex-senador

Telegram

Na delação firmada em 2007, quando entregou a conta secreta do ex-ministro Márcio Thomaz Bastos, o doleiro Marco Antônio Cursini também relacionou como clientes alguns políticos.

No primeiro depoimento, ele citou o deputado federal Milton Monti (PR), o ex-senador João Lyra (PDS) e o deputado estadual Jorge Caruso (MDB).

No caso de Monti, Cursini detalhou operações dólar-cabo e forneceu à PF os números das contas em que depositava o dinheiro – uma em nome do político e outras dos Rogério Araújo e Valdeci Lourenção.

Monti é citado na delação da Odebrecht como beneficiário de propina do contrato da Ferrovia Norte-Sul. Ele é investigado ao lado do mensaleiro Valdemar Costa Neto.

De João Lyra, o doleiro entregou à PF o número da conta do político no Swiss Bank (UBS) e até o nome do gerente.

Sogro de Pedro Collor, Lyra é investigado com Fernando Collor em inquérito decorrente da delação de Nestor Cerveró, por suspeita de corrupção na BR Distribuidora. Em fevereiro, a Justiça suíça determinou o bloqueio de contas secretas de Lyra no país.

Caruso, por outro lado, entregava ao doleiro até US$ 300 mil por ano e que o dinheiro ficava com ele numa espécie de “conta corrente”. Caruso é ligado a Arlon Viana, homem de Michel Temer no MDB paulista.

Comentários

  • Francisco -

    A corja em pânico tenta melar a Lava Jato no Congresso com o aval da banda podre dos seis no STF. Maia Aécio e Temer tramando no planalto ! Os doleiros vão entregar todos e ainda vem por aí a delação de Palocci e Marcos Valério.

  • Parça -

    Jorge Caruso, parça de Arlon Viana, o “faz trabalho sujo” de Temer, segundo Marcela Temer...

  • o -

    Quem ficou, desde 2007 até agora, se masturbando em cima dessa delação?

Ler 5 comentários