Exclusivo: laranja de Lula intermediou contato da PDVSA com armadores gregos

Telegram

Como O Antagonista registrou há pouco, o vazamento de óleo que atingiu a costa brasileira teria ocorrido quase duas semanas após a Lava Jato denunciar o ex-senador Ney Suassuna e o ex-cônsul grego Konstantinos Krotonakis, por esquema de propina no afretamento de navios gregos pela Petrobras.

A PF já atestou que o petroleiro Bouboulina carregava óleo de origem venezuelana.

Na denúncia apresentada em julho, o MPF no Paraná ressalta que a aproximação de armadores gregos com a PDVSA foi feita por meio de Jonas Suassuna, que é primo de Ney Suassuna, além de sócio de Lulinha e laranja do ex-presidente no sítio de Atibaia.

7 DE NOVEMBRO: PREPARE-SE PARA ESSA DATA. SAIBA MAIS AQUI

“Sobre a proximidade de Ney Suassuna com armadores gregos, é de se observar, por exemplo, que, no ano de 2008, o ex-senador foi abordado, por intermédio de seu primo Jonas Suassuna, por pessoa de nome Juan Carlos Chourio, ligada à Petróleos de Venezuela (PDVSA), interessada em promover afretamentos dos navios da TSAKOS ENERGY NAVIGATION pela estatal venezuela.”

O engenheiro Juan Carlos é acusado, num processo em Miami, de cobrar propina em contratos de uma subsidiária da PDVSA. Ele é sobrinho do general Jesús Suárez Chourio, ligadíssimo a Hugo Chávez e que, até 8 de julho, era o comandante-geral das Forças Armadas venezuelanas.

Comentários

  • marianomonkey -

    Tá mas e o óleo? o Queiroz? a Marieli?

  • Victor -

    Por que essa matéria não está no alto da página?

  • Tânia -

    É só mexer o angu que os caroços começam aparecer. Pra variar tem dedo do partido das trevas, onde tem desgraça o pt está no meio.

Ler 110 comentários