Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Exclusivo: o áudio que escancara o 'toma lá, dá cá' no governo Bolsonaro

Contrariado por não ter conseguido emplacar apadrinhado em órgão federal em Sergipe, o deputado Bosco Costa, do PL, ameaça deixar a base do governo
Exclusivo: o áudio que escancara o toma lá, dá cá no governo Bolsonaro
Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Nesta semana, o deputado federal Bosco Costa, do PL de Sergipe, enviou um áudio para um assessor de Flávia Arruda, ministra-chefe da Secretaria de Governo e sua colega de partido.

Na mensagem gravada, à qual O Antagonista teve acesso, o parlamentar, com a fala mansa, cobra a concretização de uma indicação dele para a superintendência da Secretaria do Patrimônio da União (SPU) em seu estado e ameaça abandonar a base do governo Bolsonaro caso não tenha uma posição do Palácio do Planalto.

Ele diz que as indicações feitas por “todos os deputados” de Sergipe “estão saindo”, menos a dele.

Escute aqui:

“Procure saber com a ministra a quem eu devo recorrer: se ao presidente do meu partido [Valdemar Costa Neto], se ao Bolsonaro, se a algum outro ministro ou… eu me posicionar contra o governo, já que sou o parlamentar [de Sergipe] que mais tenho votado com o governo [federal]”, afirma Costa no áudio.

“Eu quero uma posição de ‘sim’ ou ‘não’. Eu não vou esperar muito tempo por essa situação, que está me constrangendo lá no estado. E eu preciso resolver de uma forma ou de outra: ou sou governo ou não sou governo”, acrescenta, em evidente tom de chantagem.

Por telefone, o deputado confirmou a veracidade do áudio, a cobrança feita ao assessor da ministra (que se chama Flávio) e disse que “o problema não está resolvido ainda”.

Segundo Bosco Costa, tal indicação foi “um entendimento” feito entre ele, o líder do PL na Câmara, deputado Wellington Roberto, e o então ministro da Secretaria de Governo Luiz Eduardo Ramos, hoje na Casa Civil.

“Não me lembro a data, mas foi no fim da gestão do Ramos. A ministra Flávia assumiu sabendo e ciente dessa situação”, afirmou o parlamentar, defendendo que a indicação que tem a fazer é de uma pessoa “técnica”.

Perguntamos ao deputado se ele não entende que essa postura é o “toma lá, dá cá” escancarado. Com a mesma tranquilidade com que gravou o áudio para o assessor do Planalto, ele respondeu:

“Não, não é bem isso. É uma questão de entendimento. Eu sempre fui político, sou político, me orgulho muito de ser político, mas eu nunca ‘fui governo’ pelo toma lá, dá cá. É pela questão do acerto. Eu defendo a tese de que ‘se eu não acertei, eu não tenho nenhum compromisso’.”

O deputado acrescentou que, se for realmente confirmada, a indicação ao órgão federal será a sua primeira no estado. Além do que ele chama de “entendimento” para o loteamento desse cargo, ele admitiu ter conseguido verbas extras: “Consegui, com muita transparência”.

Em 2019, Bosco Costa teve seu mandato cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Sergipe por uma série de irregularidades na prestação de contas da campanha. Ele recorreu e conseguiu se segurar no cargo.

O PL é um dos principais partidos do Centrão que, por meio do seu dono, Valdemar Costa Neto, se aproximou de Jair Bolsonaro em meio à pandemia para garantir, em contrapartida a cargos e emendas, a sustentação do governo no Congresso.

O PL é também um dos partidos que, nos bastidores, mais seguram a abertura de processo de impeachment do presidente.

O Antagonista ainda não conseguiu contato com a Secretaria de Governo.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO