Exclusivo: O operador de Marco Maia

Júlio Camargo já contou à PGR que Marco Maia lhe cobrou R$ 500 mil para blindá-lo na CPMI da Petrobras. O lobista, então representante da Toyo Setal, confirmou que pagou R$ 200 mil em quatro parcelas de R$ 50 mil.

O Antagonista apurou que os investigadores descobriram agora que o dinheiro foi recolhido no escritório de Camargo por Luís Gerber, operador de MM e responsável por fazer a ponte entre o deputado petista e as empreiteiras do petrolão.

Marco Maia vai chorar como Gim Argello.

Faça o primeiro comentário