Exclusivo: PF indicia contadora de Youssef

A Polícia Federal indiciou Meire Poza, contadora de Alberto Youssef, por lavagem de dinheiro e organização criminosa.

No relatório de indiciamento, obtido em primeira mão por O Antagonista, o delegado diz Duílio Mocelin diz que Meire usou o escritório Arbor Consultoria e a empresa AJPP Serviços para emitir notas frias para clientes indicados pelo doleiro.

Beto Youssef pagava a Meire 10% dos valores movimentados e o dinheiro era dividido com Enivaldo Quadrado.

Segundo a PF, só a Arbor recebeu em suas contas, em cinco anos, mais de R$ 35 milhões. A AJPP, integrada por seu ex-marido Adilson Poza, recebeu cerca de R$ 2,5 milhões.

Segundo a PF, as duas empresas foram usadas por Meire para a “movimentação criminosa de valores dos clientes do doleiro Alberto Youssef.” Os valores eram sacados em espécie pela contadora ou por funcionários e encaminhados ao doleiro, que “procedia a entrega aos destinatários indicados”.