Exército comprou cloroquina quase três vezes mais cara, apontam documentos no TCU

Exército comprou cloroquina quase três vezes mais cara, apontam documentos no TCU
Reprodução/Jair Bolsonaro

Em dois meses, o grupo Sul Minas aumentou o preço dos insumos para fabricação de cloroquina que vendeu ao Laboratório Químico do Exército (LQFex) em quase três vezes, segundo documentos anexados a processo no TCU. Em março, a empresa vendeu difosato de cloroquina por R$ 488 por quilo ao Exército. Em maio, o quilo passou a custar R$ 1,3 mil.

Segundo a CNN, o Exército não contestou o aumento no preço. Só enviou um questionamento formal à empresa depois que o Ministério Público enviou uma representação ao TCU.

Marcelo Luis Mazzaro, um dos responsáveis pela empresa, disse em carta ao LQFEx no dia 21 de julho, depois da venda, que a fabricante do produto, a IPCA, elevou seu preço em 300% em março de 2020 e em 600% em abril. O executivo também disse que o custo do frete internacional subiu 300%, além da variação cambial de 45%, que justificariam a diferença de preços entre março e maio.

A PGR também já recebeu uma “notícia de fato” a respeito da inflação no preço do difosato de cloroquina, matéria prima da hidroxicloroquina.

A representação do MP ao TCU foi feita em junho. No documento, o órgão disse que havia indícios de superfaturamento nas compras feitas pelo LQFex: o preço pago pelo laboratório havia sido seis vezes maior que o registrado um ano antes, quando não havia pandemia.

Ainda não houve decisão no processo, que é de relatoria do ministro Benjamin Zymler.

Leia mais: Bolsopetismo pró-impunidade: a aliança para enterrar a proposta de prisão após condenação em segunda instância
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 115 comentários
TOPO