Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Exército gasta mais de R$ 1 milhão com cloroquina após 2 anos sem produzir

Gasto foi em 2020, ano em que Jair Bolsonaro insistiu no uso do medicamento contra a Covid; em 2017, a instituição gastou R$ 43,4 mil com 259.470 comprimidos, suficientes para a demanda em 2018 e 2019
Exército gasta mais de R$ 1 milhão com cloroquina após 2 anos sem produzir
Foto: LQFEx/Exército Brasileiro

Documento entregue pelo Ministério da Defesa à CPI da Covid no Senado mostra que o Exército gastou R$ 1,14 milhão com a produção de 3,2 milhões de comprimidos de cloroquina em 2020.

O remédio, usado contra doenças como malária, lúpus e artrite reumatoide, tornou-se aposta do governo de Jair Bolsonaro para enfrentar a pandemia, mesmo sem nunca ter tido comprovada sua eficácia contra a Covid.

A última vez que a instituição militar solicitou a produção do medicamento foi em março de 2017, quando gastou R$ 43,4 mil para 259.470 comprimidos —quantidade, segundo o Exército, suficiente para a demanda de 2018 e 2019.

Testes realizados no ano passado a pedido da OMS, além de apontar a cloroquina como ineficaz no combate ao coronavírus, alertaram para o risco de efeitos colaterais adversos, como arritmia cardíaca.

Dois ministros da Saúde, os médicos Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, foram demitidos após se recusarem a recomendar o uso do medicamento contra Covid na rede pública de saúde do Brasil.

Na semana passada, O Antagonista mostrou que o Ministério da Saúde  encomendou 3,2 milhões de comprimidos de cloroquina em 2020 —o que comprova que Eduardo Pazuello mentiu em seu depoimento à CPI.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO