Fachin: evidências indicam "prática de caixa 2" na campanha de Alcolumbre

Fachin: evidências indicam “prática de caixa 2” na campanha de Alcolumbre
Reprodução/Justiça Eleitoral/YouTube

Edson Fachin, relator no TSE de três recursos relacionados à campanha de Davi Alcolumbre, disse nesta quinta (4) que as evidências nos autos indicam a prática de caixa 2.

“Depreendo dos autos o desenvolvimento de uma cruzada eleitoral que em algumas oportunidades adentra o espaço do limbo contábil, mediante o recurso a fraudes que dificultam o seu adequado escrutínio”, disse Fachin.

As contas das campanhas ficam “manchadas” por “notas fiscais inidôneas, escrituração inconsistente, contratação de fornecedor sem capacidade técnica, [e] depósito de cheque para pagamento de serviços na conta pessoal do tesoureiro da campanha”.

Para o ministro, isso “identifica, na jurisprudência deste TSE, a prática de caixa 2”.

Os recursos julgados hoje foram interpostos contra decisões do TRE do Amapá, que, em 2016, negou pedido de cassação do diploma de Alcolumbre.

Em ações de investigação judicial eleitoral e de impugnação de mandato eletivo, a coligação A Força do Povo, o [então] PMDB estadual e o então candidato Gilvan Borges (PMDB) alegam que Alcolumbre teria praticado, entre outros, abuso de poder econômico e político durante a campanha ao Senado em 2014.

O PMDB voltou a se chamar MDB em 2017.

Leia mais: Enquanto Brasília faz tudo errado, a Crusoé continuará fazendo o certo: fiscalizando o poder.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO