Caso Aécio: ministro Fachin ‘não deve se sensibilizar’

O Estadão diz que Edson Fachin “não deve se sensibilizar com as manifestações da Câmara, do Senado e do Planalto que pedem à Suprema Corte que limite seu próprio poder de determinar medidas como o afastamento de mandato ou recolhimento noturno”.

De acordo com o jornal, o relator do caso de Aécio Neves — que será julgado pelo plenário do STF nesta quarta-feira — deverá ater-se em seu voto ao pedido inicial da ação apresentada pelos partidos PP, PSC e Solidariedade, ou seja, se Senado e Câmara têm a prerrogativa de confirmar as medidas cautelares diferentes da prisão em flagrante por crime inafiançável aplicadas a parlamentares pelo STF.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

  1. Ler mais 6 comentários
      1. Com certeza ele já leu.
        Você, duvido muito, pois parece ser mais um lacaio corrupto contratado defensor de bandidos. A Constituição fala em prisão. Medidas cautelares são absolutamente necessárias para a preservação das provas, do processo penal, da Justiça, do cidadão.

    1. STF, parem com esta palhaçada. O FORO PRIVILEGIADO é um anacronismo deslavado, é uma situação medieval. NÃO EXISTE DEMOCRACIA ONDE EXISTE DIFERENÇA JURÍDICA ENTRE CIDADÃOS. É a coisa mais óbvia que existe, não enxergar isso é ato criminoso!.