Fachin prorroga investigação de Renan por dinheiro da JBS para apoiar o PT

Edson Fachin atendeu ao pedido da PGR e prorrogou por 60 dias as investigações sobre Renan Calheiros (MDB-AL) e outros nomes da cúpula do MDB no inquérito baseado nas delações de Ricardo Saud, da JBS, e do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, informa o Estadão.

Saud disse ter havido pagamento de R$ 43,6 milhões a senadores emedebistas, a pedido do PT, para garantir a aliança entre os dois partidos na eleição de 2014.

Sérgio Machado confirmou ter ouvido em reuniões na residência de Renan que o grupo JBS iria fazer doações ao então PMDB, “a pedido do PT, na ordem de R$ 40 milhões”.

Também são investigados os senadores Eduardo Braga (MDB-AM) e Jader Barbalho (MDB-PA), os ex-senadores Eunício Oliveira (MDB-CE) e Valdir Raupp (MDB-RO) e o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rêgo.

Fachin negou ainda um pedido de Eunício para que as investigações fossem arquivadas, ou que se concentrassem na apuração de crimes eleitorais (que têm penas mais brandas), em vez de corrupção e lavagem de dinheiro.

PGR reforça suspeitas de corrupção e lavagem envolvendo Eunício e Renan

PGR é contra mandar investigação de Renan por corrupção e lavagem para Justiça eleitoral

Existem “forças subterrâneas” dentro do Congresso que impedem que projetos importantes vão à voto. Acompanhe aqui!

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 29 comentários
  1. Não há como entender a demora em punir Renan e cia. A sociedade gasta uma fábula pra ver essa turma em recesso assistindo prescrições. O Brasil precisa de uma imediata reforma do Judiciário.