Fachin temia que Gilmar anulasse toda a Lava Jato

Fachin temia que Gilmar anulasse toda a Lava Jato
Foto: STF

Ministros que defendem a Lava Jato no Supremo entendem que, ao anular as condenações de Lula que tramitaram na 13ª Vara de Curitiba, Edson Fachin conteve danos maiores à operação.

O ministro sabia que os atos de Sergio Moro seriam anulados de qualquer maneira na Segunda Turma do STF, hoje dominada por Gilmar Mendes.

E circulava, no tribunal, o rumor de que Gilmar poderia pautar a discussão sobre a parcialidade de Moro de surpresa, sem aviso prévio, na sessão de amanhã. Por isso, Fachin antecipou a um dos ministros que tomaria uma “medida extrema”.

O temor de Fachin era que, a partir do momento em que a Segunda Turma declarasse a suspeição de Moro, não apenas as condenações de Lula seriam imediatamente anuladas, mas seria aberta uma brecha para que todos os demais réus pedissem o mesmo.

E pior: como Gilmar Mendes daria o voto vencedor, ele assumiria os novos pedidos como relator e poderia, com base no precedente aberto, anular de forma monocrática todas as outras condenações.

Como mostramos mais cedo, Fachin também quis democratizar a impunidade. Uma vez que a Segunda Turma já andava livrando de condenações políticos do PP e do MDB, não haveria por que deixar o chefe do PT condenado.

A tentativa de Fachin, no entanto, poderá acelerar ainda mais o processo de desmonte e anulação das condenações de políticos.

Leia mais: Assine a Crusoé e apoie a o jornalismo independente.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO