Fazendo faxina no tribunal

Os investigadores da PF que interrogaram Lulinhazinho, diz a Folha de S. Paulo, “não ficaram convencidos com a versão apresentada”.

Ele reconheceu que fez uma faxina em sua empresa para retirar documentos comprometedores depois que a imprensa revelou os pagamentos do lobista Mauro Marcondes.

De fato, é estúpido retirar documentos comprometedores do escritório. Muito melhor é retirar a juíza Célia Regina do caso.