FGV na mira

O Ministério Público do Rio de Janeiro tem ao menos 5 procedimentos para investigar contratos da Fundação Getúlio Vargas, por suspeitas como superfaturamento de contratos com o poder público, obtenção de lucro indevido e malversação da verba própria, informa a Folha.

No início do mês, Sérgio Cabral disse que a entidade era usada para dar cobertura legal a contratos estaduais que envolviam pagamento de propina.

Ao longo da gestão do ex-governador, órgãos estaduais pagaram ao menos R$ 115 milhões em 56 contratos com a instituição de ensino, que nega irregularidades.

Comentários

  • Quera -

    Aí tem. Virou um braço de falcatruas do PT. Pode investigar que vão encontrar.

  • Noely -

    Nossa quem diria , até a FGV se vendeu aos corruptos, toda aquela iponencia , não passava de avental.

  • OAgonizante -

    As FGVs, principalmente a do Rio de Janeiro, são berços de maracutaias financeiras com dinheiro público e privado, através de notas fiscais de serviços prestados mas altamente superfaturados.

Ler 19 comentários