Fim do dinheiro público nas campanhas

O Estadão, em editorial, defende o fim do financiamento público para as campanhas eleitorais:

“Em 2015, o País deu um grande passo ao proibir as doações de pessoas jurídicas. Cabe agora, com a comprovação empírica de que o dinheiro público não é essencial para a campanha eleitoral, também eliminar o financiamento público, que gera graves desequilíbrios. Os partidos políticos são entidades privadas, que não devem ser sustentadas com dinheiro público. Acabar com o dinheiro público na campanha não é uma utopia e tampouco uma loucura. É um passo plenamente possível, que fortalece o papel do cidadão no processo político.”

O Antagonista, é claro, concorda.

Bolsonaro x Haddad: o que a grande imprensa não conta para você está AQUI

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 96 comentários
  1. Nós, libertários, defendemos isso MUITO ANTES de todos vocês. Reconheçam! E dizemos mais: em 2015 demos sim um passo, ERRADO, contra doação empresarial. Empresas produzem todo que precisamos. TU

  2. Ao cidadão o poder de decidir o que importa ou não. Está aí o poder da democracia , ao Estado a segurança a mobilidade e a legislação, que garanta a equidade. Bancar grupos , etnias ou polític

  3. Qdo o governo financia é q acontecem as distorções, vide sindicatos, ONGs, artistas, imprensa, etc.. Tdo na sociedade está fora d seu devido lugar d importância por financiamento do q não tem va

  4. Todo mundo viu nessa eleição que dinheiro não adiantou nada. Meirelles gastou 50 milhões e teve menos votos que Daciolo, que gastou 700 reais. Para fazer campanha, basta um celular.

  5. O Estadão fechou com a esquerda todo o governo petista… e agora só porque fez um editorialzinho meia culpa, já detém as prerrogativas de opinar?… mau secou meia sola já que sentar na janela.

    1. Oesp está se bandeando para o lado do vencedor para tentar manter as vultuosas verbas da publicidade governamental. coitados, a teta vai secar.

    2. Tá de dar nojo oesp, V magal, eliane cata, e caterva… Cancelei assinatura mês passado. Jogaram 150 de história no lixo. E vamos nós. ..

  6. E instituir voto aos 21 anos. drástica redução da doutrinação nas universidades públicas. Menor custo eleições. Qm tem q defender o pão nosso de cada dia vai votar com + responsabilidade. B17

    1. E fim do voto obrigatório, voto em Penitenciárias e suspensão d título enquanto o eleitor for beneficiário d subsídio governamental (bolsa-família, FIES, etc.).

  7. Corrigindo o Editorial do Estadão: “refém do dinheiro público” NÃO! Refém do meu, do seu, do nosso dinheiro!! Não quero contribuir com nenhuma campanha política!! Usem seus próprios recurs

  8. É exatamente isso. Chega de usar nosso dinheiro com partidos políticos, o povo cansou de sustentar essa cambada. Está na hora de acabar com os supersalários de Ministros do STF, STJ, TSE, TST, TCU

  9. a campanha de Jair Bolsonaro deixa mais um legado. Comprova-se que esse repasse é mais um embuste dos socialistas na reforma constitucional, conveniente, mas desnecessário para envolvimento do cidad

  10. Poderiam dar nomes aos bois. BOLSONARO fez uma campanha sem verba pública e muito econômica, Amoedo não usou verba pública, o que prova que e perfeitamente possível tirar esta excrecência

  11. Não apenas o Antagonista, mas qualquer cidadão, que tenha bom senso, vai concordar com isso. Esse financiamento de campanha não é apenas um absurdo, como um incentivo a corrupção…

  12. Bolsonaro tem essa proposta … agora o Antagonista concorda que nós contribuintes paguem empresas privadas p sustentá-los como a Folha de SP,. Globo, Bandeirantes e todo o cartel instalado no BR?

  13. Não curto mais o Estadão, mas é fato que esse fundo para bancar campanha eleitoral de políticos é imoral. É um tapa na cara do pagador de impostos. Oxalá, as mostras de não usar nosso dinheiro

  14. Concordo. A campanha de Bolsonaro é um exemplo disso. Sem dinheiro, tempo de tv e muito tiozão de whatzap é mais do que suficiente. Por outro lado, as caras campanhas de PT e PSDB também corrobora

    1. O Estadão já deu mta bola fora, mas quando acerta devemos enaltecer. Quem sabe não perceberam que estavam agindo de forma errada e resolvem mudar?

  15. Se muitos partidos agem como quadrilhas, temos que parar de financiá-los. Que a competência de cada grupo seja medida pelo povo, que o financiará, ou não. Grana nossa p eles nos ferrar, Não!

    1. Boicotem programas onde esses militantes travestidos de jornalistas estiverem. Esse povo só entende quando dói no bolso.

  16. Esta campanha provou por A+B que o político que quer se eleger tem que ter a confiança do eleitor. Quer ser político? Tenha competência junto ao eleitor, que aí as pessoas fazem a campanha.

    1. Se o PSL recusar, o dinheiro será dividido entre os outros partidos que aceitaram. Deve-se aprovar uma lei que acabe com este financiamento público de campanhas.

  17. Político antigamente fazia sua campanha com dinheiro próprio. Sua obrigação era votar, aprovando ou não projetos do executivo! Não tinha nada de emendas parlamentares e outras canalhices!!!!

  18. Partidos políticos são associações de pessoas que defendem uma ideia para dá norte ao Estado. Elas existem da contribuição financeira e das ideias individual dos seus associados. Conheceremos P

  19. Em 2017, o Estadão não deu uma bufa sequer contra a aprovação do Fundo Eleitoral. Ñ fez campanha (jornalística) contra essa excrecência e muito menos fez ataques ao Fundo Partidário. Agora a c

  20. Vai na linha do meu pensamento: tirando saúde, educação e segurança, e salvo raras exceções, devemos tirar as mãos ávidas e ineficientes do Estado deste tipo de coisa. No Brasil não funciona.

    1. Inclusive a eleição para cargos do legislativo deve ser por maioria, não proporcional. Voto proporcional é desrespeito à vontade popular.

  21. Além de por fim ao financiamento público para as campanhas eleitorais, deveria acabar o fundo partidário, que sustenta tantos “partidos” que nada representam, assim como acabou o imposto sindical

  22. Político que trabalha em prol dos interesses do povo, não precisa de financiamento público,a prova disto é Bolsonaro,gastou quase nada e vai ganhar fácil,usando as contribuições de seus eleitor

  23. Eu também sou a favor de acabar com o financiamento às campanhas políticas, tanto público quanto privado.O povo não deve pagar e as empresas só pagam para ter grande lucro nas obras.