“Fiscalização de contrato não é responsabilidade de ministro”, alega Crivella

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, divulgou nota sobre o bloqueio de seus bens, decorrente de supostas fraudes na época em que exercia o cargo de ministro da Pesca e Aquicultura do governo de Dilma Rousseff, entre 2012 e 2014.

“Em relação à decisão do juiz federal da 20ª Vara do Distrito Federal, vale ressaltar que foi determinada realização de sindicância no Ministério da Pesca e o contrato foi cancelado antes mesmo da manifestação da Controladoria Geral da União (CGU). Cabe esclarecer que não é da responsabilidade de um ministro de estado a fiscalização de contrato.”

Justiça do DF bloqueia R$ 3,1 mi de Crivella e mais oito

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 20 comentários
  1. Sou de Brasília, então é muito comum você ir na esplanada do ministério e ver ministério disso, ministério daquilo, ministério de não sei o que…Mas quando vi esse tal de ministério de pesca e aquicultura, nossa como achei estranho. Um ministério todo só para pesca, quem deu essa ideia idiota?

  2. Com esse conceito (do Crivella) de cargo público jamais um Chefe no serviço público seria responsabilizado, suficiente usar o estilo lula: NÃO SEI DE NADA. lula está preso e dilma, impeachment.

  3. Crivella, vai ver que a responsabilidade era do porteiro. Não é mesmo? Não! Com essa resposta você demonstra não reunir as mínimas condições exigíveis para exercer uma função ou cargo público. Aprende antes que seja tarde o MORO te pegue: responsabilidade é indelegável! O que se delega é autoridade.

  4. É claro que não é o próprio ministro ou o gestor do órgão contrante que fará pessoalmente a fiscalização do contrato. Mas a gestão e a fiscalização do contrato é primeiramente de responsabilidade da contratante e o ministro, no caso em tela, tem a obrigação de determinar que o contrato seja fiscaliz

  5. corretíssimo
    claro que não Sr crivella quem fiscaliza é TCU

    cabe ao ministro a agenda da necessidade e a prioridade após isso certificar-se da total lisura e transparência processo.
    cumprindo todas as etapas da licitação assegurando a livre concorrência a todos.

    ops..

    deu problema