ACESSE

Flávio Bolsonaro confirma que pagou R$ 86,7 mil em espécie na compra de salas comerciais

Telegram

Para o Ministério Público do Rio de Janeiro, o esquema de rachadinha no gabinete de Flávio Bolsonaro começou em 2008 e durou até 2018. Como publicamos, apenas nos três primeiros anos do suposto esquema, o filho de Jair Bolsonaro comprou 10 salas comerciais – por valor superior a R$ 2,6 milhões. Os imóveis que foram vendidos ao fim do período por R$ 3,16 milhões.

A compra das salas comerciais teve o uso de R$ 86,7 mil em dinheiro vivo, segundo depoimento do próprio Flávio, feito no dia 7 de julho, ao qual O Globo teve acesso.

Em seu relato, o senador afirmou aos promotores que pediu o dinheiro emprestado para o pai e um irmão (que ele não identificou).

“Eu saí pedindo emprestado para o meu irmão, para o meu pai, eles me emprestaram esse dinheiro. Tá tudo declarado no meu imposto de renda, que foi comprado dessa forma (por meio de empréstimo). Depois eu fui pagando a eles esses empréstimos. Acho que o Jorge (Oliveira), que era chefe de gabinete do meu pai, também me ajudou”, disse.

O promotor também quis saber como Flávio pagou seus familiares:

“Era em espécie, em dinheiro. Como era em família, não lembro agora exatamente como foi feito. Se foi parcelado ou uma vez só”, disse.

Leia mais: A 'paz conveniente' reina em Brasília

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 98 comentários