Foi a Folha que tentou interferir politicamente em 2018

É fantástico: a Folha sugere que os procuradores da Lava Jato trabalharam politicamente, às vésperas da eleição de 2018, mas eles não aceitaram a delação premiada de Antonio Palocci, firmado apenas com a PF.

A Folha também sugere que Sergio Moro atuou politicamente ao divulgar um anexo da delação antes da eleição de 2018.

A Folha se esquece de que Lula já estava preso (babaca), mas ainda assim quis concorrer e o PT tentava deslegitimar o processo eleitoral. E de quem tentou influir politicamente na eleição foi a própria Folha, com o pedido de entrevista do condenado, a pretexto de interesse jornalístico.

Entrevista que, se feita, daria muito mais manchetes do que o anexo de Palocci. Os ataques do condenado à Justiça e à democracia brasileiras, que garantem a plena liberdade de expressão para cidadãos livres, renderiam capas de jornais, matérias no rádio e na TV — e a cana alavancaria  o lenga-lenga sobejamente conhecido a ser repisado no programa eleitoral do poste de Lula e da sua vice. Vice que, agora se sabe, transige com hackers criminosos. Se é que é a história só para nela mesmo.

Comentários

  • Serena -

    Se existiam fatos, a população deveria ter conhecimento dos mesmos. Qual o problema ? Os procuradores deveriam ter mantido sigilo ? kkk Só rindo, mesmo.

  • Edson -

    OK e as pesquisas mentirosas e que erraram feio divulgadas pelo "DataBolha" dizendo que Bolsonar perderia de todos no segundo turno? Isso não é tentar interferir? Ou será incompetência mesmo?

  • Edson -

    Até hoje tentam deslegitimar a eleição, dizendo que Moro agiu pra retirar do pleito o maior Petista de todos os tempos (e o maior bandido, se é que isso não é um pleonasmo).

Ler 148 comentários