Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

“Foi um linchamento público, tudo muito agressivo, arquitetado”

O infectologista Marcus Lacerda, da Fiocruz, relata ameaças após publicação de estudo sobre a ineficácia da cloroquina
“Foi um linchamento público, tudo muito agressivo, arquitetado”
Foto: Reprodução/ Twitter

Uma pesquisa feita pela revista Nature com 321 cientistas de vários países, inclusive o Brasil, mostra que dois terços deles relatam ameaças após aparições na imprensa durante a pandemia de Covid.

Cerca de 15% declararam ter recebido ameaças de morte, enquanto 22% relatam ameaças físicas ou sexuais. Seis disseram que foram fisicamente atacados.

O infectologista Marcus Lacerda (foto), da Fiocruz, por exemplo, precisou de escolta armada no ano passado após a publicação de um estudo que demonstrava a ineficácia da cloroquina no tratamento da Covid. Ele esteve à frente de um estudo pioneiro no país sobre o uso do medicamento em pacientes com a doença.

Foi um linchamento público, tudo muito agressivo, arquitetado, planejado. Muita gente do grupo de pesquisa está em seguimento psicológico até hoje, é muito difícil de superar, deixa sequelas”, disse à Folha.

Além disso, interpretaram que todos os que morreram foram devido às doses altas, quando na realidade morreram de Covid-19 grave. Muita gente não conhecia o nosso grupo de pesquisa e achou que era um bando de aventureiros. Trabalhamos com malária e cloroquina há 20 anos.”

Leia também: “Prevent Senior se prestou ao interesse de atender um governante maluco”.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO