"Está no início ainda, vai demorar", diz Francischini, sobre volta de Bolsonaro ao PSL

“Está no início ainda, vai demorar”, diz Francischini, sobre volta de Bolsonaro ao PSL
***FOTO EMBARGADA PARA O ESTADO DE PERNAMBUCO*** RECIFE, PE, 05.01.2018 - Após assinatura de prévio contrato de filiação com o PSL (Partido Social Liberal), o pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro, e Luciano Bivar presidente do PSL, fazem entrevista. (Foto: Diego Nigro/JC Imagem/Folhapress)

O líder do PSL na Câmara, Felipe Francischini, disse a O Antagonista que a reaproximação de Jair Bolsonaro com o partido não avançou nesta semana.

“Nesta semana não teve conversa alguma do Bolsonaro com o partido, [A situação] está no mesmo patamar da semana passada.”

No último dia 13, em uma live, o presidente admitiu a possibilidade de voltar ao partido pelo qual foi eleito em 2018 e deu um nó na cabeça dos deputados bolsonaristas, que apostavam (ou ainda apostam) na criação da Aliança pelo Brasil.

“Não sabemos ainda [se Bolsonaro vai voltar]. A conversa está no início ainda, vai demorar. Os que estão mais desesperados para voltarem são os deputados”, afirmou Francischini, referindo-se aos deputados da ala bolsonarista do PSL, punidos pelo partido em meio à guerra interna do ano passado.

Perguntamos quem vai decidir se Bolsonaro volta ou não. O líder afirmou que “isso vai passar” pelo presidente nacional da legenda, Luciano Bivar, e pelo vice, Antonio Rueda.

“E eu vou ter que consultar a bancada, para formalizar alguma coisa. Mas a questão de o presidente voltar ou não passa por uma decisão pessoal dele. Depois, pela Executiva do partido.”

Sem querer citar nomes, Francischini criticou colegas que “vivem falando em nome do partido” e “esticando a corda”.

Diante de divergências internas em ralação a essa reaproximação da legenda com Bolsonaro, perguntamos se, “na política, há limites para o diálogo?”.

O líder respondeu:

“Na política, o diálogo é essencial, é o imperativo.”

Leia mais: A 'Crusoé' investigou a relação entre o advogado de Jair Bolsonaro e a JBS por meses. E encontrou as digitais do presidente e do procurador-geral da República
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 15 comentários
TOPO