Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Fux anula votos dados por Marco Aurélio antes da aposentadoria

Pouco antes de se aposentar, o ministro solicitou que fossem computados seus votos em 23 ações em julgamento no plenário virtual que tiveram pedido de destaque
Fux anula votos dados por Marco Aurélio antes da aposentadoria
Foto: Nilson Jr/SCO/STF

O presidente do STF, Luiz Fux, anulou pelo menos 13 votos proferidos pelo ministro Marco Aurélio Mello (foto) antes da sua aposentadoria, em julho. Pouco antes de se aposentar, o então decano solicitou que fossem computados seus votos em 23 ações em julgamento no Plenário Virtual que tiveram pedido de destaque.

Dessas ações, sete já foram finalizadas. Logo, existem 16 ações com voto do ministro Marco Aurélio. Outras três podem virar pedido de vista e sobram 13.

Fux se baseou em uma norma sobre o julgamento de processos nas sessões presenciais e virtuais do STF. Quando há um pedido de destaque no Plenário Virtual, o processo passa a ser julgado em sessão presencial e os votos são anulados. Na prática, quando os processos voltarem à pauta, os votos do então decano serão invalidados e o novo indicado de Jair Bolsonaro irá assumir os casos.

Com o pedido, o presidente do Supremo consultou os ministros sobre a solicitação. Apenas dois responderam.

O ministro Edson Fachin afirmou que a proposta implica necessária alteração da Resolução 642/2019 para que os julgamentos não fossem reiniciados, mas retomados, como ocorre quando há pedido de vista (mais tempo para analisar o caso). Já o ministro Alexandre de Moraes sugeriu “como alternativa que seus três pedidos de destaque sejam transformados em pedidos de vista, para que os votos do ministro aposentado possam ser considerados”.

Entre os processos, está o que questiona omissão do Congresso em tirar do papel o imposto sobre grandes fortunas. Marco Aurélio Mello votou para reconhecer a demora do Legislativo. O julgamento, entretanto, foi suspenso por pedido de destaque do ministro Gilmar Mendes.

Outro é um mandado de segurança que questiona se o presidente da República pode ou não bloquear cidadãos das suas redes sociais. Marco Aurélio é a favor do desbloqueio.

A O Antagonista, o ministro aposentado disse que fez a parte dele. “Fux buscou uma resolução, mas o sentido foi outro. Era dizer que prevalecesse, o sentido não foi desprezar, nem endossar certas manobras, o que não quero acreditar. A minha parte eu fiz. Estou aproveitando a aposentadoria. Se eu soubesse que era tão bom, teria aposentado aos 52”, disse o ministro.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO